Turma da Mônica pode ganhar personagem LGBTQI+

Maurício de Souza diz que a expêriencia com o filho, que é gay, o fez aprender muito (Reprodução/Instagram)

Nos últimos anos, Mauricio de Sousa tem apostado cada vez mais em personagens que representem a diversidade. O quadrinista não descarta a possibilidade de criar um personagem LGBTQI+ na Turma da Mônica. “Vem vindo aí… Estou esperando um pouquinho que esteja cada vez mais aceita a posição do gay, principalmente. Estamos discutindo isso, sim. Estamos discutindo com os roteiristas, com o Mauro (filho), com o pessoal próximo da gente aí para que haja um personagem positivo. Em todos os sentidos”, afirmou em entrevista à BBB News Brasil.

Mauricio de Sousa, que completou 86 anos nesta quarta-feira, 27, relata que a experiência pessoal com o filho o fez aprender muito sobre esse universo. “Eu tenho um filho, bem, que se assume (homossexual) e eu adoro meu filho. Ele cuida de uma parte tão importante [da empresa], que é a de shows e espetáculos. E dá um nó no pessoal que já tem mais idade e mais experiência”, disse.

Mauro Sousa é diretor de espetáculos, parques e eventos da Mauricio de Sousa Produções. Em maio de 2019, Mauricio de Sousa publicou uma foto em que toma café com o filho e o marido dele. “Em casa, com o filho Mauro, que inspirou o personagem Nimbus, e o companheiro dele, meu genro, Rafael”, escreveu na legenda da foto.

Na entrevista, Mauricio de Sousa também contou como soube que o filho é homossexual. “Ele se abriu comigo também e nos entendemos muito bem, sempre. Com meus filhos eu me entendo sempre muito bem. Esse caso foi meio diferente mas também foi uma experiência muito interessante e agradável, porque é a porta da vida e da felicidade. Realização também”, lembra.

Para o quadrinista, não pode haver barreiras para a felicidade. “Não pode haver obstáculos para sensações. É uma maneira, uma atitude, é uma palavra que me foge agora… De comportamento… Também não é comportamento, me foge a palavra. Mas de qualquer maneira, acho que todos nós temos o direito de viver o que nos é agradável, necessário e nos faz bem. Mas, principalmente, se faz bem para mais de um, é melhor ainda. Acho que foi uma experiência muito boa para mim também”, concluiu.