Empresários são presos e R$ 12 milhões em produtos vencidos apreendidos em Cumbica

Foto: Polícia Civil

A Polícia Civil prendeu dois empresários e dois funcionários da empresa Magui Alimentos por falsificarem a validade de produtos já vencidos. A importadora de produtos alimentícios está localizada na avenida Justino de Maio, em Cumbica. Também se estima que mais de R$ 12 milhões de mercadoria foram apreendidas. O caso aconteceu nesta quinta-feira (03).

Ao entrarem na fábrica, os policiais encontraram um funcionário retirando etiquetas de algumas mercadorias e colocando outras no lugar. Quando ele visualizou os agentes policiais, amassou as etiquetas que havia retirado. O mesmo confessou que retirava das mercadorias os rótulos que indicavam que os produtos estavam vencidos e colocava outros falsificados com nova data de vencimento. Informou ainda que todos os produtos daquela distribuidora, quando vencidos, tinham suas etiquetas trocadas a mando do casal proprietário e que dentro da empresa havia um setor específico para a confecção das falsificadas.

Os policiais foram então até o escritório da empresa, onde foram recepcionados por uma outra funcionária, que confessou ser a responsável por fabricar as novas etiquetas utilizando um software específico. Após um tempo, o casal proprietário chegou ao local. O homem confessou que havia ordenado a troca das etiquetas e a prática era comum na empresa pois nenhum produto alimentício seria descartado. A mulher reforçou as informações dadas por seu sócio.

Em novembro do ano passado, a fábrica clandestina já havia sido interditada quando policiais encontraram ovos de Páscoa contaminados com fezes de rato e com a validade vencida prontos para voltar ao mercado. 

Junto com equipes especializadas da Polícia Científica e da Vigilância Sanitária de Guarulhos que estiveram no local do crime, foram encontrados alimentos contaminados com fezes de rato e chocolates apodrecidos com a validade vencida prontos para voltar ao mercado. Uma pequena amostra dos produtos, com prazo de validade ultrapassada, foi apreendida. Os demais produtos armazenados permaneceram no local e serão inspecionados pela Vigilância Sanitária no próximo dia 9.

Com isso, os policiais deram voz de prisão em flagrante ao casal empresário e aos funcionários. Dois computadores, utilizados para falsificar as etiquetas, uma impressora, quatro carimbos e diversas etiquetas falsificadas também foram apreendidos e serão encaminhados para perícia. Os acusados foram levados até a carceragem anexa ao 1º Distrito Policial (DP) de Guarulhos, onde permanecem à disposição da Justiça.

- PUBLICIDADE -