Férias de julho: veja 5 dicas de brincadeiras para distrair as crianças em casa

Freepik

O que fazer para entreter as crianças nas férias escolares é uma dúvida recorrente dos pais. Para quem não consegue viajar ou fazer passeios diversos neste período, as famílias encaram a missão de elaborar atividades caseiras com objetivo de preencher o tempo ocioso – e não deixar os pequenos em frente a celulares e video-games o tempo todo.

Para a Isabela Lopes, coordenadora da Educação Infantil do Colégio Universitário Geraldo Reis da Universidade Federal Fluminense (Coluni-UFF), elaborar uma programação pode ajudar. “O planejamento é essencial para esse período de férias. Há muitas possibilidades para se explorar dentro de casa”, afirma ela, doutora em Educação.

As crianças conseguem se divertir com o simples, afirma a psicopedagoga Milena Milhão. Segundo ela, o mais importante é aproveitar os momentos com as crianças e proporcionar vivências em família – e não necessariamente é preciso gastar muito.

“A infância é uma fase em que há curiosidade, sede por novidade, necessidade de conversar, seus corpos precisam de movimento e contato com a natureza. O brincar é essencial”, destaca , professora de anos iniciais do ensino fundamental do município do Rio de Janeiro.

Com a ajuda das especialistas, o Estadão trouxe dicas de brincadeiras para entreter as crianças em casa durante as férias Confira:

Acampamento caseiro

Aos pequenos aventureiros, tente proporcionar a energia de um acampamento. Com muitos lençóis e almofadas, é possível fazer uma barraca em casa. Alguns móveis, como cadeiras e sofás, podem servir de base. Lembrando que os lanchinhos são indispensáveis. Então, aposte nas guloseimas.

Desliguem os celulares e invista nos jogos de tabuleiros. Para tornar mais real, apague as luzes e utilize lanternas. “Sempre temos todos os recursos em casa. O que importa é a conexão, o diálogo, o “olho no olho”, que não são possíveis com a individualidade das telas”, afirma Isabela Lopes.

Brincadeiras ao ar livre

Locais abertos, como playgrounds e quintais, são um convite para brincadeiras e demandam pouco planejamento. “Nos espaços abertos, existe ainda a possibilidade de interação geracional, onde o adulto pode ensinar para a criança brincadeiras que faziam parte da sua infância. E os adultos podem pedir para que as crianças ensine brincadeiras que realizam com seus amigos na escola”, sugere Isabela.

As clássicas brincadeiras de pega-pega, esconde-esconde, corrida e amarelinha são opções que nunca deixam de ser divertidas e proporcionam uma atividade física. Brincar com a terra e elementos da natureza também é um atrativo para as crianças.

A professora Isabela Lopes destaca também a importância de levar as crianças para passeios em espaços públicos, praças e parquinhos. “Que a criança não perca o direito de estar ao ar livre neste período de férias. Não podemos emparedar nossas crianças. Não podemos esquecer que elas, assim como os adultos, passamos recentemente pela experiência do isolamento social (por causa da pandemia)”, diz.

Dança das cadeiras

O corpo das crianças precisa de movimento e interação, segundo Isabela Lopes. “É importante que as crianças não estejam quietas nas férias”, acrescenta a educadora.

Brincar de dança das cadeiras pode ser uma boa alternativa: as regras são simples, além de dar novo significado ao ambiente da casa. Reúna a família, junte as cadeiras de jantar e ligue o som Assim, ninguém fica parado e todos se divertem.

Construção de brinquedos com material reciclável

De forma lúdica, é possível conscientizar e estimular a imaginação. Ensine as crianças a separar materiais recicláveis, mostrando como nem tudo que descartamos é lixo. Com caixas de ovos, embalagens de amaciantes, garrafas pet e papelão, dá para construir novos brinquedos e provar que os itens podem ser reaproveitados.

“As pessoas têm a ideia equivocada de que as crianças precisam de brinquedos e materiais grandiosos e caros para que se interessem por uma atividade. É muito comum, por exemplo, que ao ganhar um brinquedo caríssimo, a criança opte por brincar com a caixa dele, deixando as pessoas espantadas. Mas com a caixa ela cria um mundo de possibilidades. A partir da imaginação, essa caixa se torna o que ela quiser”, exemplifica Milena Milhão.

Oficinas de culinária

Que tal preparar receitas com a ajuda da criançada? Uma pequena bagunça na cozinha pode ser divertido. Claro, com moderação e supervisão de um adulto, para evitar acidentes com fogo e eletricidade.

Incluir as crianças em tarefas domésticas, em que elas se sintam úteis, pode ser experiências interessantes.

Isabela Lopes, professora

Elabore algo fácil e auxilie a garotada no preparo das guloseimas. “Incluir as crianças em tarefas domésticas, em que elas se sintam úteis, pode ser experiências interessantes”, afirma Isabela Lopes.

- PUBLICIDADE -