Mulher perde R$ 48 mil após golpista se passar por funcionária de banco

Reprodução/Arquivo Pessoal

Uma mulher de 47 anos, moradora de São Paulo, registrou um boletim de ocorrência para denunciar a perda de R$ 48 mil depois que uma golpista se passou por uma funcionária de banco durante uma ligação e comunicou uma suposta clonagem do cartão de crédito.

A vítima contou estar no metrô, quando recebeu um SMS que dizia ser do Mercado Livre e que alegava que havia sido feita uma tentativa de compra no valor de R$ 2.800, mas não havia sido aceita.

Em seguida, outro SMS chegou como se fosse do banco Nubank, onde a vítima tem conta, alertando sobre uma movimentação suspeita e tentativa de compra.

“Foi aí que eu me preocupei e entrei no aplicativo do Nubank. Vi que realmente tinha um valor a mais no meu cartão de crédito que eu não havia gastado. Mandei mensagem no chat do aplicativo questionando. Deu menos de dois minutos, meu telefone tocou e era uma mulher que se dizia funcionário do banco.’’

“A ligação caiu por estar dentro do metrô, mas, saindo do transporte, me ligaram de novo. A mulher era bem articulada, falava superbem. Pediu pra eu confirmar meus dados. Falou meu nome completo, CPF. Ela tinha tudo. E foi aí que eu caí na articulação dela. Depois de confirmar os dados, ela disse que realmente tinham clonado o celular. Foi aí o golpe.’’

A vítima relatou que a golpista pediu pra ela copiar um código que enviaria via WhatsApp para que o cartão de crédito fosse bloqueado.

“Eu peguei esse código e tentei fazer transferência via Pix, mas não deu certo. Aí ela disse que era para colocar como se fosse TED. Me passou conta bancária, nome e CPF. Perguntei se seria transferido dinheiro para essas pessoas, e ela disse que era necessário para bloquear. E foi nisso que foi todo o meu dinheiro. O dinheiro de uma vida toda, que estava juntando para comprar um apartamento.’’

“Me sinto com vergonha de ter caído no golpe. Abri um estúdio de tatuagem, porque trabalho como tatuadora, e agora em fevereiro tenho que pagar o aluguel. O dinheiro agora se foi. Ontem eu não tinha dívidas e tinha dinheiro guardado. Hoje estou com dívidas no banco e sem dinheiro algum. Difícil digerir.’’

Segundo a vítima, o banco afirmou que não haverá estorno do valor por ter sido usada uma senha pessoal na transferência.

- PUBLICIDADE -