O teor dos áudios que motivaram a instalação de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) na Câmara Municipal contra o vice-prefeito Alexandre Zeitune (Rede) ainda não foram revelados pelo vereador Marcelo Seminaldo (PT), presidente da CEI e autor da denúncia feita no plenário do Legislativo na quinta-feira da semana passada.
Os áudios, que chegaram ao escritório político do parlamentar de forma anônima, conforme ele revelou, acusa Zeitune de tentar extorquir um empresário, cujo nome ainda não foi revelado, no valor de R$ 12 milhões. Ainda segundo o petista, R$ 7 milhões seriam para a própria campanha de Zeitune ao governo do estado de São Paulo, e R$ 5 milhões para a campanha da presidenciável Marina Silva, presidente nacional da Rede.

Seminaldo explicou que os áudios não foram divulgados “para preservar a imagem da pessoa que está sendo acusada”. Mas garantiu fazer a divulgação na primeira reunião da CEI na próxima terça-feira (6), às 9h.
“Temos que torna-los público”, afirmou, apesar de estar em poder dos áudios há uma semana, o que vem causando constrangimento ao Legislativo e cobranças da sociedade, que querem esclarecer as denúncias.
Em relação à autenticidade dos áudios que deram origem às investigações, Seminaldo afirmou que a contratação de um perito dependerá de verba disponível na Câmara. Ele defende que a realização de uma perícia no pen drive onde constam os 14 fragmentos de áudios seja realizado em parceria com algum órgão público, como o Instituto de Criminalística, por exemplo.

Zeitune vai à Câmara e usa a tribuna para cobrar as provas

O vice-prefeito Alexandre Zeitune (Rede) usou a tribuna da Câmara Municipal na sessão desta quinta-feira (1º), para cobrar o acesso aos áudios que o acusam de suposto crime de extorsão com um empresário. Ainda assim, Zeitune deixou o Legislativo de mãos abanando.
“Faz uma semana que estou sendo acusado, faz uma semana que estou sendo massacrado sem a menor chance de defesa. Desde sexta-feira (23) venho todos os dias nesta Casa para ter acesso aos áudios, e nada”, disse Zeitune.

Ao não divulgar as supostas provas contra Zeitune, o presidente da CEI, vereador Marcelo Seminaldo (PT), viola a súmula vinculante 14 do Superior Tribunal Federal (STF), que dá direito ao acusado de se defender “em procedimento investigatório realizado por órgão com competência de polícia judiciária, digam respeito ao exercício do direito de defesa”.

OAB indicará advogado para acompanhar trabalhos da CEI

O presidente da OAB-Guarulhos (Ordem dos Advogados do Brasil), Alexandre de Sá Domingues, informou ao HOJE que estará oficiando, nesta sexta-feira (2), a Câmara Municipal para que a entidade acompanhe os trabalhos da Comissão Especial de Inquérito (CEI) contra o vice-prefeito Alexandre Zeitune, acusado de suposta extorsão.

“A OAB Guarulhos entrará no caso, não por curiosidade. Mas para garantir os direitos do investigado e da sociedade guarulhense, que precisa saber se as denúncias procedem ou não”, explicou Domingues. O presidente da Ordem admitiu ainda que, no momento oportuno, poderá solicitar acesso aos áudios que incriminam o vice-prefeito.

Antônio Boaventura
antonio.boaventura@guarulhoshoje.com.br
Foto: Ivanildo Porto

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here