Animais recebem cuidados especiais para enfrentar o tempo seco no Zoo Municipal

Com 81 dias sem chuva, segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), Guarulhos sofre com o tempo seco, que além de gerar cuidados na parte de hidratação para as pessoas, os animais também precisam de atenção especial. E no Zoológico Municipal de Guarulhos, na rua Dona Glória Pagnoncelli, n°344, no bairro Jardim Rosa de França, os cuidados com os bichos são redobrados.

As aves são as mais afetadas devido ao sistema respiratório diferenciado, por reservar menos líquido no organismo. Diante do forte calor, e também durante o tempo frio, isso pode propiciar a manifestação de infecções nestas espécies.

“O clima em São Paulo não tem muitas temperaturas extremas, a gente cria dentro de cada recinto microclimas, reproduzindo a vegetação que ajuda a manter a umidade dentro de cada local onde estão nossos animais”, explicou a veterinária Hilary Vanderlei. Dependendo do habitat natural do animal, há uma adaptação na vegetação para manter o ar e a temperatura adequados.

Já durante as baixas temperaturas, os primatas acabam sofrendo mais com o frio. De acordo com o chefe de divisão do Zoológico, Gilberto Júnior, as condições de maior aquecimento oferecidas para aquecer os animais são desde o abrigo até pequenos cobertores.

O trabalho de climatização nos répteis é o mais complicado, porque eles não conseguem realizar o próprio equilíbrio térmico, de acordo com a veterinária. “Eles precisam do aquecimento artificial, e todos os répteis têm uma casinha com lâmpada. No caso das cobras e das iguanas, há uma plataforma aquecida”, revelou.

 

Zoológico tem 500 animas de 100 espécies diferentes

No Zoológico Municipal há atualmente 500 animais em exposição de 100 espécies diferentes, de acordo com informação de Gilberto Júnior. Para manter a alimentação dos animais, são gastos por dia 200 kg de alimento, entre frutas, legumes e carne. O animal com uma maior alimentação é o leão, com 5 quilos de alimento por dia; seguido pela onça pintada, que em determinada época do ano pode consumir entre 3 e 4 quilos.

A alimentação de alguns animais também se baseia de acordo com o clima. “Tem mês que a gente faz a alimentação da onça pintada com carne suína, isso é questão de temperatura. Já que nos meses quentes, há uma necessidade energética um pouco maior”, observou Júnior.

Nesse período sem a presença das chuvas, a água dos animais é trocada mais de uma vez ao longo do dia; as aves precisam de água corrente.

No Zoo também há animais ameaçados de extinção. “Existe uma lista nacional e uma de São Paulo sobre animais em extinção e, no nosso caso, temos arara-canindé, anta, onça pintada e urubu-rei”, destacou a veterinária Hilary Vanderley.

Somente no ano passado, 600 mil pessoas visitaram o Zoológico da cidade. Nesse mês de férias escolares, a média de visitantes diária varia entre dois a três mil pessoas. O local abre de terça a domingo, das 9h às 17h.

 Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]

Foto: Ivanildo Porto