Empresas têm até terça para contestar licitação para obras da sede da Câmara

Antônio Boaventura

[email protected]

As empresas que participaram do processo de licitação para a realização das obras da nova sede da Câmara Municipal, na Vila Augusta, têm até terça-feira (10) para contestar o resultado do processo, que teve como vencedor a VPP Engenharia, da cidade de Barueri. O valor apresentado pela empresa ganhadora foi de pouco mais de R$ 12 milhões.

Seis empresas estavam habilitadas a participar do certame. Ao final do pleito, saiu-se vencedora a empresa VPP Engenharia, que apresentou a proposta de R$ 12.088.328,32. Ela superou em pouco mais de R$ 1,2 milhão a segunda colocada, a Itália (R$ 13.307.493,98).

Depois da data prevista para contestação, o resultado será homologado e publicado no DOM. A assinatura do contrato será realizada cinco dias depois. “Após isso, a VPP terá 15 dias para iniciar as obras”, explicou Thiago Seminotti Felski, presidente da Comissão Permanente de Compras, Licitações e Contratos (CPLC).

Para o próximo ano, a Câmara reservou a quantia de R$ 8 milhões para a implantação de uma área exclusiva aos 34 vereadores. Com esta nova implementação no projeto, o custo total da nova estrutura pode alcançar o montante de R$ 36 milhões – estes estão distribuídos entre aquisição (R$ 14 milhões), gastos com obras (R$ 14 milhões) e a segunda fase da obra (R$ 8 milhões).

O imóvel que irá abrigar a futura instalação do legislativo foi adquirido em 2011. De acordo com Felski, o cronograma do edital da licitação prevê o final das obras em nove meses. “Acredito que até o final de 2020 o novo prédio estará ocupado”, observou.

Atualmente, a Câmara Municipal dispõem anualmente de R$ 3,7 milhões para custeio do aluguel dos dois prédios que abrigam suas instalações. São cerca de R$ 720 mil para pagamento do plenário e outros R$ 3 milhões para a infraestrutura que aloca os setores administrativos.

Foto: Ivanildo Porto