Maior do Brasil, GRU Airport lança novos serviços

Assunto:Imagens Aéreas Local:Aeroporto André Franco Montoro Data:16.05.2008 Foto:Sidnei Barros/PMG

Não basta transportar 42 milhões de passageiros em um ano e ser o maior aeroporto do Brasil. A concessionária que administra o GRU Airport quer mais e planeja oferecer mais opções para os passageiros no próximo ano. Desde que foi concedido à iniciativa privada, em 2012, o Aeroporto Internacional de São Paulo/Guarulhos tem se aproximado, cada vez mais, dos grandes aeroportos europeus.

Neste ano, o GRU Airport ganhou um terminal executivo de Aviação Geral, que é o primeiro do tipo no Brasil. O espaço, administrado pelo consórcio GATGRU, tem capacidade para processamento de passageiros domésticos e internacionais. O aeroporto recebeu também uma câmara fria de 18 graus negativos no Terminal de Cargas, ampliação do mezanino de passageiros no Terminal 1, expansão do check-in no Terminal 3 e um novo pátio para aeronaves de grande porte.

Nesta semana, o GRU foi beneficiado com a retomada da rota Guarulhos-Munique, na Alemanha, pela Lufthansa. A Air Canada inaugurou um voo para Montreal e a Gol lançou a rota diária Guarulhos-Lima, no Peru. Até ao final do primeiro trimestre de 2020, a JetSmart e Flybondi (duas empresas low-cost) começam a operação de Guarulhos para Santiago do Chile e Buenos Aires, respectivamente, e a Virgin Atlantic inaugura a operação diária para Londres – a sua primeira rota na América do Sul.

Além da abertura do pátio 7, a área restrita de embarque e desembarque de passageiros receberá uma nova unidade da drogaria Farmais, no Terminal 3 e uma loja da TNG, no conector para o Terminal 2. Também serão inauguradas novas salas VIPs no Terminal 2.

O historiador Elton Soares de Oliveira conta que Guarulhos já se destacava na questão aérea em 1934, com o Clube Paulista de Planadores. Em 1945, essa vocação ganhou novo status com a inauguração da Base Aérea de São Paulo, na região de Cumbica. Em 1985, o aeroporto entrou em operação, já como o maior do Brasil. “Do ponto de vista econômico, o aeroporto sustenta a cidade”, revela.