Região entra na fase vermelha a partir de sábado; prefeitos discutirão ampliação das restrições

O Conselho de Prefeitos do Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) irá se reunir amanhã para analisar a implantação de medidas complementares às anunciadas hoje pelo Governo, que coloca todo o Estado na fase vermelha do Plano São Paulo a partir de sábado (06) até o dia 19 de março e amplia o horário do Toque de Restrições, restringindo a circulação de pessoas no período entre 20h e 5h. O esforço dos municípios em adotar medidas mais restritivas busca frear a curva de contaminação da covid-19 e conter a alta de internações pelos próximos dias, que devem ser os mais críticos desde o início da pandemia.

A possibilidade de um colapso em todo o sistema de saúde estadual, com a falta de leitos de UTI já verificada em diversas regiões, inclusive nos municípios do Condemat, motivou a regressão de todo o Estado à fase mais restritiva do Plano São Paulo.

Desde ontem os prefeitos estão dialogando com entidades e setores produtivos, buscando alternativas para minimizar os impactos econômicos e preparando-os para este período mais restritivo.

Segundo o presidente do Condemat, Rodrigo Ashiuchi o cenário atual é preocupante e exige a colaboração de todos.

“Infelizmente nossa realidade atual é muito preocupante e exige a colaboração de todos na tomada de medidas mais duras e restritivas. Sabemos que isso afetará a retomada da economia, porém não temos outra saída diante do cenário enfrentado por todo país, com a alta nos indicadores de novos casos e óbitos e a falta de leitos para atender à demanda. É necessário que todos compreendam que este é o momento mais crítico desde o início da pandemia”, disse.

Segundo dados informados pela Secretaria de Estado da Saúde, a taxa de ocupação de leitos de UTI atual na região do Alto Tietê é de 89,4% (data base 01/03), com o agravante de que unidades hospitalares dos municípios de Arujá, Ferraz de Vasconcelos, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes e Santa Isabel atingiram a capacidade máxima no início desta semana. A região enfrenta ainda a alta de 20% no número de novos casos nos últimos 14 dias, com relação aos 14 dias anteriores.

A fase vermelha do Plano São Paulo autoriza apenas o funcionamento de setores da saúde, transporte, imprensa, estabelecimentos como padarias, mercados e farmácias, além de escolas e atividades religiosas, que foram incluídas na lista de serviços essenciais por meio de decretos estaduais.

No caso da região do Condemat, a maioria dos municípios estuda suspender o início das aulas presenciais da rede municipal previsto para os próximos dias. O funcionamento das unidades escolares estaduais e privadas também deverá ser discutido pelos prefeitos amanhã, bem como a realização de bloqueios sanitários.

“São questões importantes que estão sendo discutidas pelos municípios desde ontem para que possamos seguir o melhor caminho no enfrentamento à pandemia”, reforçou o presidente.

Nos municípios de Mogi das Cruzes e Santa Isabel a fase vermelha teve início hoje.

Leitos de UTI

Durante a coletiva de imprensa o governador João Doria anunciou a implantação de 500 novos leitos, sendo 339 de UTI COVID e outros 161 de enfermaria em hospitais estaduais, municipais e vinculados ao SUS, como Santas Casas e serviços filantrópicos em diversas regiões do Estado, incluindo a Grande São Paulo.

Até o momento não há informações oficiais se esta ampliação da oferta de leitos ocorrerá nos municípios da região do Condemat.

O consórcio insiste na cobrança pela implantação imediata de novos leitos nas unidades hospitalares da região.