Guarulhos recebe a 4ª edição do festival Sesc de música de câmara

Foto: Ivanildo Porto

Um dos mais importantes encontros nacionais voltados à música de câmara. Depois de ter a última edição, em 2020, não realizada devido à pandemia de COVID-19, a 4ª edição do Festival Sesc de Música de Câmara acontece entre os dias 9 e 26 de junho.

Com realização bienal desde 2014, a edição desse ano tem curadoria de Claudia Toni e Cristian Budu. O evento contará com oito atrações que irão circular pelas cidades de Guarulhos, Jundiaí, Sorocaba, Mogi das Cruzes e Ribeirão Preto. Em São Paulo, o Sesc Consolação será a sede do evento, tanto por seu teatro possuir proporções excelentes para a música de câmara quanto por seu importante Centro de Música, equipamento voltado a ações formativas nessa linguagem artística.

Com um elenco diverso e programas inéditos, o Festival experimenta, segundo seus organizadores, uma fórmula já praticada internacionalmente: reunir cameristas brasileiros residentes no Brasil e no exterior, intérpretes estrangeiros e jovens músicos em vias de profissionalização. Os espetáculos serão protagonizados pelo quinteto de sopros dinamarquês Carion; o ensemble de cordas Ilumina Music; o quarteto de violões Maogani; o conjunto Sampaensemble; o Quarteto Carlos Gomes; a orquestra de cordas São Paulo Chamber Soloists com Gabriele Leite e Cristian Budu como solistas; Baderna Moderna, conjunto de câmara que faz um programa especial para crianças e famílias; e um espetáculo que reúne Osusp, o Coro dos Meninos Cantores de Hamburgo e solistas sob a regência de Luiz de Godoy.

As duas mais importantes efemérides brasileiras de 2022 estão contempladas no Festival Sesc de Música de Câmara. O centenário da Semana de Arte Moderna será lembrado no concerto do Quarteto Carlos Gomes, que interpreta o Quarteto n.3 de Villa-Lobos, uma das obras do compositor carioca que foram apresentadas no célebre evento. Já o bicentenário da Independência estará presente através da execução da Missa de Santa Cecília, do padre José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), mais importante compositor brasileiro de sua ép oca. Escolhida pelo regente paulista radicado na Europa Luiz de Godoy, a obra, escrita em 1826 para quatro solistas vocais, coro e orquestra, é raramente executada. No Festival, Luiz de Godoy comanda a Osusp, membros do Coletivo Jeholu e os Meninos Cantores de Hamburgo, coro do qual é regente titular e que vem ao Brasil especialmente para o evento.

Como tem feito desde sua primeira edição, o Festival Sesc de Música de Câmara segue comissionando obras a compositores brasileiros. Nesta edição, três novas obras e um arranjo serão estreados. A São Paulo Chamber Soloists, que interpreta o Concerto n.3 de Beethoven em versão para quinteto de cordas e piano (com Cristian Budu como solista), estreia uma obra de João Luiz Rezende Lopes para violão e cordas, com solos de Gabriele Leite. Já o Ilumina Music, que integra jovens intérpretes a solistas experientes de várias partes do mundo, apresenta pela primeira vez Ilum inuras, de André Mehmari, bem como toca outras peças de autores e autoras contemporâneos.

Além da homenagem à Semana de Arte Moderna, o Quarteto Carlos Gomes estreia What has been will be again, do paulistano Alexandre Lunsqui. A lista de comissionamentos se completa com um arranjo de Gaúcho (corta-jaca), de Chiquinha Gonzaga, encomendado ao compositor Rodrigo Morte e que estará no repertório do quinteto Carion – cujos integrantes tocam sem partitura e se movimentam pelo palco.

A canção de câmara também faz sua estreia nesta edição do Festival com o Sampaensemble, que interpreta diferentes trios combinando voz, piano, clarinete, flauta e violoncelo. Formado especialmente para o evento, o grupo é integrado pela meio-soprano Joyce Tripiciano, o pianista Ricardo Ballestero, a violoncelista Heloisa Meirelles, o flautista Renan Mendes e o clarinetista Bruno Ghirardi. Já os violonistas do Maogani trazem de volta para o Festival a música popular, feita com um caráter camerístico particular e próprio do Brasil, num repertório que vai de Villa-Lobos e Ernesto Nazareth a Gilberto Gil e Milton Nascimento.

Outra marca registrada do Festival, uma programação voltada para crianças e adolescentes, está presente com o conjunto paulista Baderna Moderna. Especialmente concebido para a ocasião, o espetáculo Tem música nos meus olhos, é feito por músicos brasileiros e tem a proposta de apresentar a música contemporânea a crianças. A programação do Festival Sesc de Música de Câmara se completa com ações educativas que incluem mediações antes de cada concerto; ciclos de debates; vivências para crianças e educadores; e workshops com Ricardo Ballestero (apreciação musical da canção de câmara) e Claudio Cruz (música de câmara para cordas de Heitor Villa-Lobos).

PROGRAMAÇÃO

Entre os dias 9 e 26 de junho de 2022 acontece a quarta edição do Festival Sesc de Música de Câmara. O festival reúne cameristas brasileiros residentes no Brasil e no exterior, intérpretes estrangeiros e jovens músicos em vias de profissionalização, em um total de 34 concertos em quatro unidades do Sesc- São Paulo e três outros espaços de cidades paulistas. Completam a programação atividades formativas e voltadas à reflexão acerca dos modos de pensar, criar e executar música de concerto no Brasil e no mundo.

Com propostas sonoras diversas como quarteto de cordas, trios instrumentais, quarteto de violões, canções de câmara e até coro e orquestra, os concertos trazem, na escolha de compositores e intérpretes, temas atuais como a representatividade e a diversidade. Assim, o Festival convida o público a se aproximar de um repertório renovado, através do qual poderá estabelecer relações com temas da contemporaneidade, evidenciando a relevância da produção camerística atual.

• Trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo credenciado no Sesc e dependentes (Credencial Plena).

Aposentado, pessoa com mais de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e servidor de escola pública com comprovante.

Ilumina Music (Brasil/internacional)

Uma comunidade de artistas inovadores com uma missão social transformadora, o ensemble de cordas Ilumina foi fundado em 2015 pela violista Jennifer Stumm. O projeto coloca jovens músicos da América do Sul para aprender e tocar lado a lado com instrumentistas de carreira internacional e, em seguida, apoiá-los em audições para as melhores escolas de música do mundo. O inventivo e variado programa que tocam no Festival inclui a estreia da obra Iluminuras, de André Mehmari, composta especialmente para a ocasião.

11/06, sábado, 19h Sesc Guarulhos. R$40 / R$20 / R$12. 12 anos

Carion (Dinamarca)

Fundado em 1997 por jovens músicos de sopros (flauta, oboé, clarinete, trompa e fagote), o Carion surgiu com o objetivo de fazer música de câmara de uma maneira inventiva. Seus músicos tocam de pé, memorizam as peças e se movimentam pelo palco, buscando aproximar artistas e público. O programa que interpretam vai do século XIX ao XXI e inclui um arranjo de Gaúcho (corta-jaca) de Chiquinha Gonzaga, encomendado pelo Festival ao compositor Rodrigo Morte.

12/06, domingo, 19h Sesc Guarulhos. R$40 / R$20 / R$12. 12 anos

Maogani (Brasil)

Completando 25 anos em 2022, o quarteto de violões Maogani é um dos principais grupos instrumentais do Brasil. A maioria de seus sete discos conta com participação de grandes nomes da música popular brasileira, como Leila Pinheiro, Joyce e Mônica Salmaso. Seu repertório, baseado na música popular e feito com um caráter camerístico particular e próprio do Brasil, vai de Villa-Lobos e Ernesto Nazareth a Gilberto Gil e Milton Nascimento.

10/06, sexta, 19h Sesc Guarulhos. R$40 / R$20 / R$12. Grátis. 12 anos

Sampaensemble (Brasil)

Formado especialmente para o Festival Sesc de Música de Câmara 2022, o Sampaensemble é constituído por músicos que atuam em algumas das mais importantes instituições musicais paulistanas. Explorando combinações instrumentais menos frequentes, o grupo interpreta diferentes trios combinando voz, piano, clarinete, flauta e violoncelo e explora a fusão da música instrumental e vocal, nas quais a canção de câmara ocupa um lugar de destaque.

18/06, sábado, 19h Sesc Guarulhos. R$40 / R$20 / R$12. 12 anos

São Paulo Chamber Soloists (Brasil), Gabriele Leite (violão) e Cristian Budu (piano)

Fundada em 2020, a orquestra de cordas São Paulo Chamber Soloists (SPCS) reúne 14 solistas com ampla experiência internacional e enfatiza em seu repertório compositores brasileiros, latino-americanos e pertencentes a grupos minoritários. Tocando em pé e sem regente, SPCS interpreta o Concerto n.3 de Beethoven em versão para quinteto de cordas e piano (com Cristian Budu) e estreia uma obra de João Luiz Rezende Lopes para violão e cordas, com solos de Gabriele Leite.

19/06, domingo, 19h Sesc Guarulhos. R$40 / R$20 / R$12. 12 anos

Meninos Cantores de Hamburgo (Alemanha), Osusp (Brasil), Luiz de Godoy (Brasil/Alemanha), membros do Coletivo Jeholu (Brasil) e solistas vocais

Missa de Santa Cecília

O bicentenário da Independência está presente no Festival com a Missa de Santa Cecília, do Padre José Maurício Nunes Garcia (1767-1830). Escolhida pelo regente paulista radicado na Europa Luiz de Godoy, a obra, escrita em 1826 para quatro solistas vocais, coro e orquestra, é raramente executada. No Festival, Luiz de Godoy comanda a Osusp, membros do Coletivo Jeholu e os Meninos Cantores de Hamburgo, coro do qual é regente titular e que vem ao Brasil especialmente para o evento.

25/06, sábado, 19h Sesc Guarulhos. R$40 / R$20 / R$12. Grátis. 12 anos

Quarteto Carlos Gomes (Brasil)

O Quarteto Carlos Gomes tem como objetivo a divulgação da música brasileira, latino-americana e a música de nosso tempo, além do amplo repertório composto para o gênero. O grupo realiza um constante trabalho de pesquisa, recuperando material nunca gravado e muitas vezes nunca executado. Além de Villa-Lobos (em comemoração ao centenário da Semana de Arte Moderna), o grupo interpreta Meneleu Campos e faz a estreia de uma obra do paulistano Alexandre Lunsqui escrita sob encomenda para a quarta edição do Festival.

24/06, sexta, 19h Sesc Guarulhos. R$40 / R$20 / R$12. 12 anos

Baderna Moderna (Brasil)

“Tem música nos meus olhos.”

Baderna Moderna é um núcleo multilinguagem que nasceu com o propósito de apresentar a música contemporânea em um formato diverso do conceito de concerto tradicional. Seus integrantes são parceiros de longa data que se uniram para promover a criação de espetáculos associados a outras linguagens artísticas. Concebido especialmente para o Festival, Tem música nos meus olhos é um espetáculo voltado para crianças e famílias que funde música e dança.

17/06, sexta, 16h Sesc Guarulhos. R$24 / R$12 / R$7 / Grátis para crianças até 12 anos. Livre

Confira detalhes da programação em
www.sescsp.org.br/musicadecamara

Sesc Guarulhos
Rua Guilherme Lino dos Santos, 1.200
Jardim Flor do Campo, Guarulhos (SP)

- PUBLICIDADE -