Orquestra Jovem realiza ensaios para apresentação inédita no Brasil

A Prefeitura de Guarulhos apresenta uma grande produção, responsável por transformar o palco do teatro do Adamastor Centro em um ambiente característico dos palacetes europeus do início do século XX. Nos próximos dias 31 de agosto e 1º de setembro, sábado às 20h e domingo às 19h, será encenado pela primeira vez no Brasil o espetáculo Vanessa, ópera do americano Samuel Barber. 


O trabalho de criação do espetáculo teve início há mais de seis meses e contou com encontros semanais, que começaram em agosto e se estenderão até a véspera da estreia. Durante o ensaio realizado na tarde da última quarta-feira (28) no Adamastor, as cantoras Tati Helene (Vanessa) e Luisa Francesconi (Erika) se desdobraram em atuações viscerais e cheias de tensão, que prometem mexer com as emoções do público.


E não é para menos, já que a ópera de Barber, composta e apresentada pela primeira vez nos Estados Unidos em 1958, guarda elementos da cultura cinematográfica bastante peculiares, que junto com o roteiro e as incursões melódicas da orquestra criam no imaginário da plateia sensações que vão do suspense ao drama, numa perfeita comunhão entre música e texto.
De acordo com o maestro da OJMG e diretor artístico-musical do espetáculo, Emiliano Patarra, a tensão criada pela orquestração se adapta integralmente à cena. “Vanessa é, basicamente, uma peça de teatro com música, em que todos os elementos estão a serviço da cena e do libreto, que é de uma poesia bastante interessante e profunda. É também uma música que absorve a influência do cinema para compor com a cena aquilo que os cantores estão cantando, incorporando uma série de recursos de trilha sonora”, explica Patarra, observando uma atmosfera de complementariedade entre a proposta musical da orquestra e o texto dos cantores.  


Para Tati Helene, o tema apresentado pela obra de Barber aprofunda a discussão sobre a forma como a mulher vê o amor. “Entre o amor ideal, muitas vezes imposto culturalmente pela sociedade, e o real, a obra discute a forma como nós mulheres nos relacionamos comesse sentimento, e nos leva a entender as infinitas formas de amar, latentes em cada uma das personagens”, explica a soprano.


Para a mezzo-soprano Luisa Francesconi, cuja personagem Erika se vê subitamente envolvida com Anatol, a obra de Barber se apresenta como excelente oportunidade de compreensão do universo feminino.“Apesar do feminino que as une e a busca pelo amor ideal, a obra mostra pontos de vista de mulheres bastante diferentes. A Erika é muito pé no chão e, apesar de estar apaixonada, não quer um amor que não seja inteiro para ela.Nesse sentido, a personagem é bastante realista”. 


Já Baronesa, personagem da mezzo-soprano Juliana Taino, demonstra uma postura silenciosabastante reveladora. “Temos em cena personagens com motivações que despertam a curiosidade do público, e isso não é diferente com a Baronesa, que por meio de um jogo de expressões consegue observar o desenrolar da narrativa a partir de diferentes ângulos”, explica Juliana.
A interpretação do charmoso e galanteador Anatol, personagem do tenor Flávio Leite, impõe grande desafio ao público sobre suasreais intenções e caráter. “Um dos aspectos mais interessantes dessa ópera é a perfeição da dramaturgia, absolutamente primorosa da primeira à última frase, tudo isso misturado a um clima de mistério, intimidade, sobriedade e drama, exposto em um texto muito eficaz”. 


Espetáculo imperdível, a classificação das apresentações é 18 anos e os ingressos gratuitos devem ser retirados na bilheteria do teatro com duas horas de antecedência das apresentações.


Serviço

Vanessa – ópera completa de Samuel Barber

Datas: 31 de agosto (às 20h) e 1º de setembro (19h)

Local: Teatro do Adamastor Centro.

Avenida Monteiro Lobato, 734, Macedo

Entrada gratuita (retirada de ingressos com duas horas de antecedência na bilheteria do teatro)

Classificação livre