Vândalos ateiam fogo e deixam ônibus atravessado no meio da pista da rodovia Ayrton Senna

Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]

Na noite desta quarta-feira (09), às 19h15, de acordo com a concessionária da pista, a empresa Ecopistas, cerca de dez vândalos entraram em um ônibus municipal no km 26,4 na rodovia Ayrton Senna, em Guarulhos, no sentido São Paulo, obrigando os passageiros e logo em seguida atearam fogo no próprio coletivo, além de deixar o veículo atravessado no meio pista para impedir o tráfego de outros carros.

Durante a ação, não houve vítimas. A concessionária informou que o Corpo de Bombeiros chegou ao local às 19h44 e controlou o fogo às 20h10 na rodovia, além da ocorrência contar com o apoio da Polícia Rodoviária Militar. O ônibus realizava o itinerário entre o bairro do Jardim Angélica, região do Pimentas até o Centro da cidade.

“A Secretaria de Transportes e Mobilidade Urbana (STMU) informa que um ônibus da viação Campos dos Ouros, linha Jardim Angélica/Centro – via Jardim Santo Afonso, foi incendiado por um grupo de vândalos na rodovia Ayrton Senna, altura do Km 26, sentido São Paulo, por volta das 19h desta quarta-feira (9). As chamas foram controladas pelo Corpo de Bombeiros e não houve vítimas. Por orientação da Polícia Militar houve uma redução no fluxo de carros da empresa, mas os coletivos continuaram circulando”, destacou em nota a STMU.

Moradores da região reclamaram ao HOJE, que após o incêndio, linhas de ônibus como 732, 702, 700, 701 e 600, não teriam circulado mais, porém, a STMU desmentiu essa informação. A Ecopistas informou que às 20h30 o veículo começou a ser retirado e a equipe de limpeza da concessionária começou a trabalhar na via.

Somente às 21h que a pista foi liberada totalmente para o tráfego de veículos. O ônibus ficou completamente destruído pelo fogo. A reportagem questionou a Secretaria de Segurança Pública do estado de São Paulo (SSP), que  informou através de contato telefônico, que até o momento, nenhum boletim de ocorrência foi registrado sobre o caso.

Foto: Divulgação