Vereador propõe uso de massa asfáltica ecológica nas vias da cidade

Antônio Boaventura

[email protected]

O vereador Paulo Roberto Cecchinato (PP) propõe a utilização de massa asfáltica ecológica, produzida a partir da borracha de pneus, nas vias do município. Em 2013, a Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S.A. (Proguaru) em parceria com o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) iniciou a produção do Cimento Verde para substituição do tradicional asfalto.

Entretanto, estava previsto testes no ano de 2017 para uso deste insumo em vias do bairro Torres Tibagy. O Cimento Verde é produzido a partir de resíduos de Construção Civil e Demolição (RCD). O Projeto conta ainda com a participação da empresa Fiori do Brasil, que disponibilizará uma autoconcreteira para a realização das misturas dos materiais em campo. Essa tecnologia contou com o financiamento de R$ 5 milhões destinados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

“O asfalto-ecológico não é uma novidade em termos de tecnologia de pavimentação, haja vista que é utilizado nos Estados Unidos há mais de 40 anos. No Brasil começou a ser divulgado por volta do ano 2000, após o decurso do prazo da patente que protegia a tecnologia”, justificou o vereador Paulo Roberto Cecchinato.

De acordo com o parlamentar, os programas de asfaltamento e recapeamento de rodovias municipais, bem como de construção e recuperação de vias públicas, devem assegurar a utilização preferencial de massa asfáltica produzida com borracha de pneumáticos inservíveis provenientes de reciclagem, observados os percentuais de mistura definidos em norma técnica de engenharia, bem como a Resolução nº 416, de 30 de setembro de 2009, do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

O processo de fabricação consiste na mistura descontínua com ligante asfáltico modificado por borracha triturada de pneus e compactado a quente. Segundo especialistas, quanto maior o teor de borracha aplicado, 5% pelo método industrial ou até 20% pelo sistema “in situ field blend”, mais eficiente o pavimento, especialmente no quesito durabilidade.

“Pesquisadores alegam que há atualmente mais de 8 mil km de estradas pavimentadas com asfalto-ecológico no Brasil, número pouco representativo diante de uma malha asfáltica de 170 mil km, contudo a popularização é crescente entre as grandes concessionárias de rodovias: 22% das estradas administradas pelo Grupo EcoRodovias já possuem pavimentação com asfalto ecológico (o equivalente a 1,5 mil km) e o grupo CCR, outro gigante do setor, possui pavimentação do tipo em 15% de suas rodovias”, concluiu.