Candidato a prefeito apoiado por Bolsonaro é rejeitado por 53% em enquete do HOJE

“Você votaria em um candidato a prefeito de Guarulhos apoiado por Bolsonaro?”. Essa pergunta foi respondida por 7,2 mil internautas que participaram da enquete do HOJE que ficou no ar por 24 horas no Facebook (@GuarulhosHoje). A enquete, um levantamento de opiniões sem plano amostral, que depende da participação espontânea do interessado e que não usa método científico para sua realizada, foi encerrada na noite desta terça-feira (26).

Dos participantes, 53% afirmaram que não vão apoiar nenhum candidato a prefeito da cidade que tenha o apoio do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Já os internautas que provavelmente garantiriam seu voto a este suposto candidato somaram-se 47%.

Bolsonaro tem perdido o apoio de muitos dos seus eleitores nos últimos meses. A última pesquisa divulgada no dia 20 que avaliou o governo federal, realizada pelo XP/Ipespe, confirmou a tendência de aumento na reprovação ao desempenho do presidente Jair Bolsonaro. De acordo com o levantamento, o grupo que considera o governo bom ou ótimo oscilou de 27% na rodada de 30 de abril para 25% agora.

Já os que avaliam a gestão como ruim ou péssima passou de 49% para 50% na comparação com o levantamento anterior. A expectativa para o restante do mandato de Bolsonaro é ruim ou péssima para 48% dos entrevistados e ótima ou boa para 27%. Na pesquisa anterior, de abril, esses índices eram, respectivamente, de 46% e de 30%.

Movimento semelhante acontece na área econômica, em que o grupo que avalia que a economia está no caminho errado subiu de 52% para 57%, enquanto os que veem a economia no caminho certo passaram de 32% para 28%. Ainda de acordo com a sondagem, 34% afirmaram que alguém em seu domicílio já recebeu o auxílio emergencial de R$ 600 e outros 14% disseram que ainda vão receber o dinheiro.

O comportamento do presidente da República durante a pandemia do coronavírus, como passear e abraçar apoiados desrespeitando o uso de máscara, os xingamentos à imprensa, a troca de dois ministros da Saúde em menos de um mês e, por último, a saída do ex-juiz federal Sergio Moro do Ministério da Justiça e a divulgação do vídeo da reunião ministerial do último dia 22, vêm abalando o governo Bolsonaro.