Vacina: 4 milhões de paulistas não tomaram 2ª dose

O Estado de São Paulo pode atingir a meta de 90% de cobertura vacinal completa prevista na campanha de imunização contra Covid-19 se os 4 milhões de faltosos da segunda dose comparecerem os postos.

Até esta segunda-feira (25), às 13h30, 38,6 milhões de pessoas já tinham recebido pelo menos uma dose. Desse total, 30,6 milhões já possuem esquema vacinal completo.

Hoje, o balanço de faltosos de segunda dose totaliza 4 milhões de pessoas. Se todas voltassem aos postos, o número de pessoas com esquema vacinal completo saltaria para 34,6 milhões.  Isso significaria que cerca de 90% da população teria proteção garantida na campanha, percentual estabelecido pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial de Saúde como ideais.

Dos 4 milhões que não compareceram aos postos dentro do prazo, indicado para receber a segunda dose, 2,03 milhões precisam concluir esquemas com Pfizer, que teve prazo antecipado para 21 dias após a primeira dose em SP. Somam ainda 1,05 milhão de Astrazeneca e 920 mil de Coronavac.

Houve queda no balanço total de faltosos em relação ao verificado em semanas anteriores, que chegou a ultrapassar 4,3 milhões.

“É fundamental que todos compareçam aos postos para completar o esquema vacinal. Reduzimos o prazo entre as doses e é muito importante que todos possam olhar sua carteira de vacinação e comparecer ao posto de vacinação mais próximo para tomar a sua vacina. O intervalo da Pfizer entre os adultos caiu para 21 dias e, com isso, poderemos ter a população imunizada com mais agilidade”, destaca a coordenadora do Plano Estadual de Imunização (PEI), Regiane de Paula.

O Governo de SP ampliou a comunicação com a população sobre o intervalo entre as doses, e enviou somente nas últimas semanas mais de 7 milhões de e-mails e SMS alertando sobre a importância da segunda dose e a necessidade da vacinação dentro do prazo.

Levantamento do Plano Estadual de Imunização (PEI) contra COVID-19 mostra que a estimativa geral de faltosos poderia ser 35% menor se todas as cidades atualizassem a plataforma VaciVida no mesmo dia da aplicação da segunda dose, uma vez que a falta de cadastro em tempo oportuno pelos municípios no sistema impacta na visualização adequada dos dados pelo PEI.

Conforme a Resolução SS 59, que normatiza a atualização dos dados da campanha na plataforma VaciVida, os municípios devem reportar tais dados em até 72 horas.

Imagem: Governo do Estado de São Paulo