Política: Representação feminina para a próxima legislatura da Câmara Municipal cresce 8,5%

Em formato reduzido, Câmara Municipal começa a debater o orçamento previsto de R$ 5 bilhões para 2021 - Crédito: Divulgação

Antônio Boaventura
[email protected]

O processo eleitoral para ocupação das 34 cadeiras disponíveis no parlamento guarulhense realizado no último domingo (15) revelou um aumento de 8,5% da participação de mulheres no Poder Legislativo para o mandato que começa no dia 1º de janeiro de 2021 e termina em 31 de dezembro de 2024. Atualmente, a Câmara Municipal conta com quatro mulheres – Janete Pietá (PT), Genilda Bernardes (PT), Carol Ribeiro (PSDB) e Sandra Gileno (Patriota).

Contudo, essa quantidade representa 12% do quadro de parlamentares daquela Casa de Leis. Com as reeleições de Sandra Gileno, Janete Pietá e Carol Ribeiro, além das eleições de Karina Soltur (PSD), esposa do vereador Eduardo Soltur (PSD), Vanessa Jesus (Republicanos), esposa do vereador Professor Jesus (Republicanos), presidente da Câmara e candidato à vice-prefeito na chapa encabeça pelo prefeito Guti (PSD), Fernanda Curti (PT) e Carlinda Tinoco (Republicanos), este índice de representação saltou para 20,5%.

Mas, o número de mulheres no legislativo, ainda, pode aumentar. Isso por que, caso o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acate os recursos das candidaturas que concorreram ao pleito eleitoral sob judice, a advogada Márcia Taschetti (PP) pode ocupar uma cadeira na próxima legislatura. Ela obteve 2.479 votos. Diante deste cenário, Gladys Acredite (PTB), esposa do vereador Betinho Acredite (PTB), perdeu a vaga por conta do parecer favorável do TSE ao vereador Paulo Roberto Cecchinato (PTB), que disputou a eleição sob judice.