Restauração do oratório da Casa da Candinha marca iniciativas de valorização do patrimônio

A Prefeitura de Guarulhos recebeu na manhã desta segunda-feira (11) o oratório do Sítio da Candinha. Assim como seu baú e uma cela feminina (que acredita-se ter pertencido à dona da fazenda), trata-se de um item que data do período colonial e tem cerca de 250 anos. Eles passaram por um processo de restauro e serão devolvidos ao seu local de origem tão logo a reforma da Casa da Candinha esteja concluída.

“Além de dialogar com o eixo IV do Plano Municipal de Cultura no que diz respeito à garantia da preservação do patrimônio cultural da cidade, a restauração do oratório e também da Casa da Candinha são ações de grande importância para a valorização da nossa própria história”, enfatizou o secretário de Cultura, Professor Jesus.

Policromático, com cerca de 2,9 m de altura e 1,7 m de largura, o ornamento evidencia imagens sacras, com detalhes de cor dourada. Bastante comuns em terras brasileiras por um longo período, os oratórios têm relação com a prática religiosa, constituindo-se parte integrante da cultura dos países ibéricos e suas colônias.

De acordo com o diretor de Atividades Culturais de Guarulhos, César Samsoniuk, a ação de restauro sinaliza a preocupação da gestão em desenvolver iniciativas cada vez mais pontuais para a conservação do patrimônio histórico. “É uma iniciativa intersetorial com etapas bastante definidas que vai fomentar tanto a educação ambiental quanto abrir possibilidades para investimentos, um grande passo em meio ao processo de restauração do complexo patrimonial da Casa da Candinha”, pontua Samsoniuk.

Remanescente do período escravagista, a casa sede da Fazenda Bananal é uma das mais antigas construções do município de Guarulhos. A Casa da Candinha, como é conhecida, está localizada no Jardim Bananal, região do Lavras, e é a única que possui senzala, além do próprio santuário. Em ocasião oportuna, a Prefeitura disponibilizará o acesso ao oratório para visitação dos munícipes.