Guarulhos integra diretoria de consórcio de municípios para compra de vacinas contra Covid-19

O prefeito de Guarulhos, Guti, assumiu nesta terça-feira, 30, o cargo de titular do conselho fiscal do Conectar (Consórcio Nacional de Vacinas das Cidades Brasileiras), que reúne cerca de 2.600 municípios brasileiros. O objetivo do grupo é adquirir, com o apoio de empresas da iniciativa privada, 20 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para adiantar o cronograma nacional de imunização em 30 dias. 

O Conectar, que tem o prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, como presidente, representa mais de 150 milhões de brasileiros. Liderada pela Frente Nacional de Prefeitos (FNP), a iniciativa é inédita no país e começou a ser desenhada há pouco menos de um mês, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou que estados e municípios participassem de negociações para a aquisição de imunizantes contra a COVID-19.

Segundo a FNP, o governo federal deve terminar a vacinação do grupo prioritário (80 milhões de brasileiros) entre julho e agosto deste ano. Diante desse cenário, o Consórcio deve contribuir com 20 milhões de doses extras para antecipar esse cronograma em 30 dias. Durante a reunião de posse, realizada de forma virtual, com a participação dos prefeitos que compõem a diretoria do Conectar, integrantes de tribunais de contas de vários municípios, presidentes de grandes empresas brasileiras, como Natura e Santander, manifestaram o interesse em colaborar com a iniciativa dos prefeitos. 

Neste momento, o Conectar trabalha com o objetivo de sensibilizar a OMS para antecipar não só os 9 milhões de doses da Covax Facility, mas para garantir mais 10 milhões de doses para o Brasil. Também mantém diálogo no sentido de realizar uma “pressão política internacional” e buscar a solidariedade panamericana dos EUA, que tem 30 milhões de doses paradas da Oxford/AstraZeneca. 

Paralelamente a essas medidas, o prefeito de Guarulhos, Guti, está articulando para as próximas semanas uma visita à fábrica da União Química, localizada no município, que se prepara para produzir a vacina russa Sputinik V no Brasil. “A gente sabe que existem uma série de burocracias a serem vencidas, mas é mais uma vacina que possa estar no nosso radar”, disse.