Final de ano exige cuidados especiais com os pets

Foto: Hilary Halliwell no Pexels

A festa do final de ano está chegando e alguns cuidados são necessários para garantir o bem-estar dos pets. A decoração requer muito planejamento para que não haja ingestão de objetos e nem choques. As guloseimas servidas nas ceias e a queima fogos de artifício podem proporcionar graves problemas físicos e emocionais. Uma árvore de Natal muito decorada e com enfeites luminosos pode ser um atrativo perigoso.

“Evite enfeites ou luzes na altura do seu pet. É necessário escolher uma base forte e sólida para segurar a árvore, depois cercá-la, para que o pet não se aproxime. Os enfeites de plásticos são os mais indicados. O pet deve acompanhar a montagem da árvore, isso evita a curiosidade de conhecê-la só depois de pronta”, salienta Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News (www.revistaecotour.news).

A veterinária Dra. Adriana dos Santos da clínica geral da AmahVet ressalta que o brilho de alguns itens de decoração natalina é muito atraente para os animais, que podem querer brincar e acabar danificando os acessórios. O perigo tende a ser ainda maior dependendo do material utilizado na fabricação dos produtos.”As bolas de vidro, por exemplo, devem ser evitadas, pois os animais de estimação podem ingerir os fragmentos delas em caso de quebra”, alerta a especialista.

Segundo o veterinário Marcello Machado, os gatos são curiosos e é importante distraí-los. Coloque brinquedos próximos à árvore ou até o arranhador, tirando assim, a atenção do animal. Outro detalhe é impedir que ele mastigue o fio do pisca-pisca e tome um choque. Prefira fios que interrompam a corrente automaticamente, quando danificados, e sempre desligue as luzes quando não estiver no local.

Muitos tutores acabam partilhando alimentos das ceias com seus pets. Mas, não é todo tipo de alimento para humanos que deve ser oferecida aos pets, pois alguns podem causar alteração gástrica e, até mesmo intoxicação. O chocolate é tóxico para cães e gatos, já que o cacau possui teobromina, substância que pode gerar vômitos e diarreia.”A uva, por exemplo, pode causar lesões renais e o caroço da cereja contém uma substância que, dentro do corpo, transforma-se em cianeto, um químico venenoso que pode causar intoxicação e prejudicar o transporte de oxigênio celular”, relata Vininha F. Carvalho.

“No lugar de comida caseira e petiscos, ofereça alimentos específicos. Os snacks podem ser oferecidos como agrado ou recompensa, inclusive em momentos de festa, quando os pets ficam olhando para o tutor implorando por um agrado”, aconselha o Dr. Marcello Machado.

Os fogos de artifícios não têm como ser evitado, é um fator externo muito traumático para os animais. Os cães possuem a audição quatro vezes mais potente do que a dos humanos. Durante a queima de fogos os animais ouvem o barulho alto e estridente dos fogos em uma frequência diferente e não conseguem identificar a origem do ruído, por isso, o interpretam como uma ameaça, isso causa pânico e medo. É comum que os cães e gatos se escondam, e em casos graves a fobia pode até mesmo provocar a fuga ou acidentes.

A veterinária e proprietária da Animal Clinic, Dra. Ana Paula Ferreira Castro, aconselha colocar um cobertor nas janelas ou frestas de portas, para abafar o som. “Além disso, para que ele não se sinta com medo, fique perto do seu pet, dando todo carinho necessário. Colocar algodão nos ouvidos pode abafar um pouco o som, mas não é 100% eficaz”, enfatiza.

“Garantir condições de segurança para que as comemorações transcorram em perfeita harmonia, visando não prejudicar os animais, deve ser a meta. Os animais não precisam participar das festividades, pois para eles, cada dia vivido ao lado de um tutor responsável, já é motivo de muita alegria”, conclui Vininha F. Carvalho.