Theatro São Pedro abre a temporada lírica com duas óperas de Giovanni Battista Pergolesi

Foto: Governo do Estado de SP

O Theatro São Pedro, instituição do Governo do Estado de São Paulo e da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado, gerido pela organização social Santa Marcelina Cultura, abre a temporada lírica de 2022 com a montagem de dois títulos do compositor italiano Giovanni Battista Pergolesi (1710- 1736): La Serva Padrona e Livietta e Tracollo. As récitas acontecem nos dias 17, 18, 19 de março, às 20h, e no domingo, dia 20, às 17h. Os ingressos custam de R$ 80 (inteira) a R$ 15 (meia).

A montagem terá direção musical do especialista em música antiga, Luis Otavio Santos, que comanda a Orquestra do Theatro São Pedro, direção cênica de Mauro Wrona, Duda Arruk assina o cenário, Mirella Brandi a iluminação, Paula Gascon, o figurino e Tiça Camargo o visagismo.  O elenco é formado por Johnny França, (Uberto/Tracollo), Marília Vargas (Serpina/Livietta), Felipe Venâncio (Vespone/Facenda) e Naomy Schölling, papel mudo (Fulvia).

La Serva Padrona, de Giovanni Battista Pergolesi, com libreto de Gennaro Federico, inspirado em uma comédia deJacopo Angello Nelli, estreou em 28 de agosto de 1733, no Teatro di San Bartolomeo em Nápoles. Já Livietta e Tracollo, com libreto de Tommaso Mariani, estreou no ano seguinte em 25 de outubro de 1734, no mesmo teatro napolitano.

As duas obras surgiram na história da ópera como dois intermezzi, que eram óperas curtas e divertidas inseridas no meio dos atos de óperas mais sérias.  “Esse gênero de intermezzi buffo, cômico, foi uma revolução na história da ópera. Ele deu espaço para uma temática mais urbana, um contexto mais dramático e cotidiano, que falava da rotina das pessoas com uma linguagem mais coloquial e menos empolada, menos cheia de metáforas e figuras de linguagem”, destaca o diretor musical Luis Otavio Santos.

Por serem dois títulos barrocos, o especialista em música antiga, Luis Otavio Santos conta que é importante encontrar a interpretação correta desse ponto de vista histórico. “Muitas novidades, novas nuances e ideias musicais surgem a partir dessa visão, desse contexto em que ela foi criada”, afirma o maestro. “É importante provocar uma conscientização da orquestra e dos cantores sobre o estilo barroco, que precisa de uma forma de interpretação característica para ficar bonita e valorizada em cena”, completa.

Mauro Wrona responsável pela direção cênica conta que na sua concepção: “La Serva Padrona é como uma comédia napolitana, ela se passa em Nápoles, com o Vesúvio ao fundo”. O diretor cênico explica que:  “La Serva Padrona trata de uma questão igualitária e social. Naquela época, as ideias iluministas já começavam a pregar um pouco a igualdade. Então, nesse caso, vemos a Serva que queria virar patroa, revoltada com essa questão de serva. La Serva Padrona é uma história de uma comédia doméstica que fala de poder, dinheiro, mudança de classe, sedução. Já em Livietta e Tracollo podemos pensar em como o amor muda as coisas, já que o ladrão deixa de ser bandido quando se apaixona e decide casar, é uma narrativa mais caricata. O figurino e a maquiagem são bem diferentes de uma para a outra. Então, na primeira, temos uma comédia de costumes, doméstica. Na segunda, algo mais próximo a um desenho animado, mais divertido, popular e inconsequente”, completa.

Transmissão ao vivo

Para democratizar o acesso, a récita de domingo, dia 20, às 17h, terá transmissão gratuita do espetáculo pelo canal de YouTube do Theatro São Pedro: youtube.com/TheatroSaoPedroTSP

Bilheteria

Não haverá venda de ingressos na bilheteria do Theatro São Pedro. Os ingressos para todos os espetáculos devem ser adquiridos exclusivamente pelo site: https://theatrosaopedro.byinti.com/

Theatro São Pedro

Com mais de 100 anos, o Theatro São Pedro tem uma das histórias mais ricas e surpreendentes da música nacional. Inaugurado em uma época de florescimento cultural, o teatro se insere tanto na tradição dos teatros de ópera criados na virada do século XIX para o XX quanto na proliferação de casas de espetáculo por bairros de São Paulo. Ele é o único remanescente dessa época em que a cultura estava espalhada pelas ruas da cidade, promovendo concertos, galas, vesperais, óperas e operetas. Nesses 100 anos, o Theatro São Pedro passou por diversas fases e reinvenções. Já foi cinema, teatro, e, sem corpos estáveis, recebia companhias itinerantes que montavam óperas e operetas. Entre idas e vindas, o teatro foi palco de resistência política e cultural, e recebeu grandes nomes da nossa música, como Eleazar de Carvalho, Isaac Karabtchevsky, Caio Pagano e Gilberto Tinetti, além de ter abrigado concertos da Osesp. Após passar por uma restauração, foi reaberto em 1998 com a montagem de La Cenerentola, de Gioacchino Rossini. Gradativamente, a ópera passou a ocupar lugar de destaque na programação do São Pedro, e em 2010, com a criação da Orquestra do Theatro São Pedro, essa vocação foi reafirmada. Ao longo dos anos, suas temporadas líricas apostaram na diversidade, com títulos conhecidos do repertório tradicional, obras pouco executadas, além de óperas de compositores brasileiros, tornando o Theatro São Pedro uma referência na cena lírica do país. Agora o Theatro São Pedro inicia uma nova fase, respeitando sua própria história e atento aos novos desafios da arte, da cultura e da sociedade.

- PUBLICIDADE -