Longe da badalada Campos do Jordão, a Mantiqueira das pequenas cidades

Foto: Pixabay

A Mantiqueira é um lugar de gente apaixonada por onde vive. Porque nasceu ou escolheu morar ali. Gente que trabalha apresentando, com orgulho, a região ao visitante. São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro dividem montanhas e vales dessa serra no Sudeste, com araucárias e cachoeiras.

Dois destinos, Campos do Jordão (SP) e Monte Verde (MG), estão sempre entre os mais buscados em sites de acomodação. Ambos são bem estruturados, com hotéis, restaurantes e lojas, mas têm estilos e tamanhos distintos. Enquanto a paulista é um centro urbano de fato, a mineira é um pequeno distrito de Camanducaia. “Mesmo na alta temporada, por ser um vilarejo, com uma só entrada e certa limitação de crescimento, Monte Verde se torna acolhedora. É um lugar onde as pessoas se conhecem e fazem o turista se sentir em casa”, diz Rebecca Wagner, presidente da Agência de Desenvolvimento de Monte Verde (Move).

Uma das vantagens de viajar pela Mantiqueira é encontrar possibilidades para curtir o clima de serra em lugares menos procurados, especialmente durante o intenso movimento de inverno São Bento do Sapucaí e Santo Antônio do Pinhal, do lado de São Paulo, e Gonçalves, em Minas Gerais, são charmosas e cheias de atrativos.

Veja abaixo ideias para incluir no roteiro, com natureza, artesanato e produtos rurais. Gastronomia e hospedagem também são parte essencial. Não só pelo serviço, mas também pelas paisagens.

PASSEIOS EM MONTE VERDE

Conhecer os picos da Mantiqueira geralmente está entre os passeios a serem feitos nos destinos. Em Monte Verde, é um dos programas previstos no city tour da Quadriventure (R$ 400 por casal e R$ 500 para família até 4 pessoas). “A gente leva o pessoal para conhecer os principais pontos, incluindo o atrativo natural mais visitado, a Pedra Redonda. A gente conhece cachaçaria, loja de chocolate, de queijos e doces. São lugares afastados do centro”, explica Ronaldo Paes, proprietário.

“A ideia é mostrar que Monte Verde não é só uma avenida, tem muita coisa legal.” A Quadriventure (Instagram @quadriventure) oferece ainda passeios de quadriciclo (R$ 169 para até duas pessoas), em trilha própria com desafios off-road.

As férias de inverno em Monte Verde (monteverde.org.br) incluem o Cozinha Show, em 9, 16, 23, 24 e 30 de julho, com oficinas de culinária e apresentações culturais. Quem estiver atrás de comida mineira aliada a uma experiência genuína pode ir à Fazenda Esperança – bufê de almoço (12h/15h) a R$ 45; fazendaesperancamg.com.br.

Ideal para o contato com a natureza, Gonçalves (goncalvestur.com br) atrai quem busca atividades diurnas. Morador da cidade desde 2020, Adrian Alexandri ia para lá desde 2015. “Eu me encantei pela Mantiqueira, pela paz e tranquilidade”, afirma o jornalista. “Vim um pouco antes do movimento que a pandemia trouxe, de trabalhar em casa”, lembra o idealizador do clube de assinatura Mantiqueirias (mantiqueirias.com.br), com produtos regionais, e dono do Instagram @goncalves.no.mapa, de dicas.

GONÇALVES COM SABOR

“Entre os restaurantes, indico o Sauá, do chef Vitor Pompeu, na Pousada Bicho do Mato. O Vitor é o principal pesquisador de produtos da Mantiqueira na gastronomia.” O medalhão ao molho de café com melado sai por R$ 89. Peça a cerveja local 3 Orelhas (R$ 32) no Sauá (restaurantesaua.com.br).

O Armazém São Bento (Instagram @armazemsaobento), no centro, também prioriza produtos da região. “A proposta é uma versão revisitada dos armazéns de antigamente, com os secos e molhados, o dono no balcão, a conversa sem pressa”, explica Vera Pena, uma das proprietárias. Uma fatia de bolo de fubá, com compota de goiaba e um café coado, sai por R$ 22. Plaquinhas de madeira com paisagens mineiras, pintadas à mão, custam de R$ 50 a R$ 160.

Trekkings (R$ 150 a R$ 200 por pessoa) e passeios de 4×4 (R$ 450 a R$ 900 o veículo para até quatro) levam a picos e cachoeiras, com a Conexão Gonçalves (Instagram @conexao goncalves4x4ecoaventura).

VERDE E ARTE EM PINHAL

A Fazenda Renópolis, em Santo Antônio do Pinhal (Instagram @santoantoniodopinhal.tur), recebe visitantes nos fins de semana para a trilha ecológica e o museu da natureza, com pedras e conchas, entre outros itens. A proprietária, Débora Murgel, abriu a Villa René (Instagram @villarene_espacoturistico) recentemente, com lavandário, cactário e loja de produtos de lavanda – sabonete (R$ 8) e aromatizador de ambiente (R$ 50). Quando paga R$ 25 na entrada da fazenda (renopolis.com.br), o viajante atualmente pode ir à Villa René sem pagar a mais.

A natureza também influencia a arte em Pinhal. “A Mantiqueira nos inspira. Tenho um lugar quieto e um visual legal”, conta a ceramista Cynthia Duarte (Instagram @jardinsdebarro). “Gosto de oferecer a experiência toda, não só mexer com o barro”, diz, referindo-se à oficina para turistas (R$ 160, mais custo de envio). “Faço a queima e mando a peça pelo correio.”

A chef Anouk Migotto transforma a riqueza ao redor em outro tipo de arte, saboreada em seu restaurante, o Donna Pinha (donnapinha com.br). As receitas deram em livro, Donna Mantiqueira, de 2021. A chef está no Cozinhando com Palavras, em 2 de julho, às 19 horas, na 26ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Ela prepara o risoto negro da Mantiqueira.

- PUBLICIDADE -