Imóveis usados de até R$ 300 mil foram os mais vendidos

Os imóveis usados mais vendidos em Guarulhos foram os que tinham valor total de até R$ 300 mil. Segundo uma pesquisa do Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (Creci-SP) a cidade acompanhou uma tendência observada nos municípios de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano e Osasco.

Nessas cidades, durante o mês de agosto, os imóveis representaram 55,4% do total. Na divisão das vendas por faixas de preço, predominaram os que custaram até R$ 4 mil o metro quadrado (66%). Já o desconto médio aumentou até 130,4% nos imóveis vendidos em bairros das regiões de periferia, passando de 5,25% em julho para 12% em agosto.

Segundo o Creci, as vendas concentraram-se na região central (81% do total), distribuindo-se o restante pelos bairros de periferia (12%) e nobres (6%). As imobiliárias venderam mais casas e apartamentos de padrão médio (55%) do que de padrão standard (42%) e de luxo (2%).
No estado, as vendas de imóveis usados cresceram 26% em agosto sobre julho, mês em que as férias haviam derrubado as vendas em 20% na comparação com junho. A recuperação marcou o segundo melhor resultado do ano, só superado por junho (+ 30,8% sobre maio), e fez com que o acumulado das vendas desde janeiro ficasse positivo em 26%.

O crescimento em agosto foi resultado dos negócios realizados pelas 1.105 imobiliárias de 37 cidades pesquisadas pelo Creci. Essas mesmas imobiliárias alugaram no mês 3% a mais que em julho. Quem comprou preferiu os apartamentos (55% das vendas) às casas (44%). E quem alugou fez o inverso, com as casas (55% das locações) superando os apartamentos (44%).

O aumento na venda de imóveis usados e o crescimento no mercado de locação residencial refletiram no Índice Creci-SP, indicador que mede o comportamento mensal dos aluguéis novos e dos preços de imóveis usados nessas 37 cidades em que a pesquisa é feita. O índice aumentou 10,18% em agosto em relação a julho e tem agora saldo positivo de 6,56% no período janeiro-agosto. É pouco mais que 1 ponto percentual acima da inflação oficial de 5,42%, medida pelo IPCA do IBGE.

Fotos: Ivanildo Porto