Quase 7 mil animais são resgatados em obras do trem e Rodoanel na cidade

O governo do estado resgatou 6.871 animais nas obras do trecho Norte do Rodoanel e da Linha 13-Jade da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). No total foram 2.300 na implantação do Rodoanel e 4.571 nas intervenções do trem.
Entre os anos de 2013 e 2016 a Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa), empresa vinculada à Secretaria de Estado de Logística e Transportes, já resgatou 5,3 mil animais silvestres em programas de resgate e monitoramento de fauna. O trabalho de prevenção ambiental é feito antes de a empresa iniciar uma grande obra viária.

Esse trabalho é feito por uma equipe de veterinários, biólogos, auxiliares de campo e pesquisadores. Os cuidados incluem o socorro a animais de maior risco. São retirados ninhos de pássaros e animais de mobilidade mais restrita, como os bichos-preguiça, roedores, sapos e pererecas. Os animais resgatados são levados para áreas protegidas próximas das obras. Ambulatórios veterinários instalados nos canteiros de obra cuidam dos que eventualmente necessitem de tratamento para retornar à natureza.

Já o Programa de Resgate e Translocação de Fauna Silvestre na Linha 13 da CPTM foi iniciado em agosto de 2014, com o objetivo de minimizar os impactos causados pela implantação da obra. Do total de animais resgatados 70% foram aves, 25% mamíferos e 5% répteis e anfíbios. Dos animais resgatados destacam-se: gambas, lagartos, cobras, quatis e pássaros.

Aqueles que são encontrados feridos e debilitados são atendidos em campo por médico veterinário e depois encaminhados para reabilitação no CRAS-PET (Centro de Reabilitação de Animais Silvestre do Parque Ecológico do Tietê), que recebeu 112 animais desde o início do programa. Os animais sadios e aptos para soltura têm os dados biométricos coletados e marcados de acordo com suas características biológicas. Depois, são encaminhados para duas áreas de solturas no PET (Parque Ecológico do Tietê). A equipe conta com dois veterinários e três biólogos, todos autorizados pelo órgão ambiental DeFau (Departamento de Fauna – Centro de Manejo de Fauna Silvestre). O programa será mantido até o final das obras.

Reportagem: Rosana Ibanez
Foto: Ivanildo Porto