Operadores do sistema alternativo de transporte cobram dívida de R$ 20 milhões da prefeitura

O imbróglio envolvendo a Prefeitura de Guarulhos e os operadores do sistema de transporte alternativo promete mais confusão. A dívida, que no final de 2015 estava em R$ 7,5 milhões, foi elevada para a casa dos R$ 20 milhões. O município conta com 288 veículos neste modelo de transporte.
“Em todas as ocasiões, não foi cumprido o que foi falado. Seriam pagos os subsídios deste ano, porém, não é isso que vem acontecendo. Foi pago apenas o subsídio de janeiro deste ano”, explicou Luciano Chaves, operador do sistema.

Segundo Chaves, a atual gestão quitou apenas o subsídio do mês de janeiro neste ano, e que a dívida referente a este ano é de R$ 5 milhões. Entretanto, o operador ressalta que a promessa de manter os pagamentos em dia, referente ao serviço prestado neste ano não foi cumprido pelo governo municipal.
“Tivemos algumas reuniões com representantes do governo, porém, o prefeito em nenhum momento disse em não pagar, mas também não apresentou alternativas para pagar”, explicou Chaves.

A dívida com os operadores do sistema alternativo se arrasta desde 2015, gestão do ex-prefeito Sebastião Almeida. Contudo, segundo Luciano, mesmo sem o pagamento dos valores devidos, a administração exige a substituição dos veículos. Ele entende que não há condições.

“Esse ano temos uma dívida de quase R$ 5 milhões. Nós não temos mais condições de bancar a operação. O prefeito está exigindo junto com seu secretariado a troca da frota e nas nossas condições financeiras não temos condições por que o nosso dinheiro está preso na prefeitura”, concluiu.
Procurada, a prefeitura não respondeu aos questionamentos da reportagem até a conclusão desta edição.

Reportagem: Antônio Boaventura
[email protected]