Operação para combater sonegação fiscal de videogames ocorre em Guarulhos

A Polícia Civil e a Secretaria da Fazenda (Sefaz) deflagraram, nesta quinta-feira (8), a operação Game Over – uma ação contra 40 empresas do ramo de videogames acusadas de sonegação fiscal da ordem de R$ 250 milhões. A operação ocorre em São Paulo, Barueri, Osasco, São Caetano e Guarulhos.

As investigações da Sefaz, em conjunto com o Setor de Apoio à Fazenda (SAF), começaram há cerca de um ano. O SAF é um grupo subordinado ao Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), que presta apoio aos setores de inteligência da Fazenda Estadual.

“Este é um grupo estratégico, que auxilia a identificar casos de fraude estruturada e maior repercussão, como os que envolvem várias empresas”, explicou o divisionário de Crimes contra a Fazenda do DPPC, Renato Porto.

As apurações apontam que um grupo abriu diversas empresas de fachada e utilizava sócios laranjas para emitir notas fiscais. Dessa forma, os criminosos “esquentavam” as mercadorias e simulavam o recolhimento do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) – a chamada “substituição tributária”.

As empresas distribuidoras, que faziam parte do mesmo grupo criminoso, recebiam a mercadoria e revendiam à varejistas. Estes, por sua vez, comercializavam os jogos com os consumidores finais, tanto por meios eletrônicos quanto por lojas físicas.

Os indícios apontam a quadrilha teria movimentado, desde 2015, cerca de R$ 800 milhões em vendas de videogames.

“Estamos participando do trabalho com 20 equipes, de todas as quatro delegacias da Divisão. Ao todo, são 14 mandados de busca e apreensão nas cinco cidades”, informou Porto. A operação conta também com apoio do Ministério Público e prossegue em andamento.

Crédito: Polícia Civil