Chacina no Jardim São João completa um mês e Polícia Civil continua a procura da quadrilha

GUARULHOS,SP,01.06.2017:CHACINA-GUARULHOS - Quatro homens armados matam cinco pessoas e ferem três, na madrugada desta quinta-feira (1), no bairro Jardim São João, em Guarulhos (SP). A polícia encontrou marcas de balas de diversos calibres. Ninguém foi preso. Por volta da 1h30, os quatro homens atiraram contra dois bares da Rua Guarulhos Nazaré e oito pessoas foram atingidas. Quatro homens e uma mulher morreram e outros três homens ficaram feridos e levados para hospitais da região. A Polícia investiga o caso. (Foto: Nivaldo Lima/Futura Press/Folhapress)

A chacina que culminou na morte de seis pessoas no dia 1 de junho, na Estrada Guarulhos Nazaré, no bairro do Jardim São João, completou um mês neste último final de semana. Até o momento, nenhuma pessoa foi presa, e a Polícia Civil afirma que já coletou depoimentos e agora analisa também imagens de câmeras nas imediações dos dois bares.

Era uma madrugada tranquila, quando quatro homens encapuzados, por volta das 2h, segundo informações da Polícia Militar, entraram no estabelecimento atirando, culminando na morte de seis pessoas. Além das mortes, duas pessoas foram baleadas, e encaminhadas para Unidade de Pronto Atendimento (UPA ) São João e Hospital Geral de Guarulhos (HGG), onde já receberam alta.
No momento do crime, apenas um homem que trabalhava no bar, conseguiu escapar fugindo pela janela. O crime ocorreu próximo a uma comunidade chamada Morumbizinho, e dos oito baleados, três já possuíam passagem por crimes como roubo ou desacato.

A reportagem do HOJE entrou em contato com a Polícia Civil, com o objetivo de apurar o andamento das investigações do caso. “A Polícia Civil informa que o caso é investigado em Inquérito Policial pelo setor de homicídios da Seccional de Guarulhos. A equipe ouviu testemunhas e as investigações continuam em andamento para identificar e prender os autores do crime. As imagens coletadas nas imediações estão sendo analisadas. Mais informações não podem ser divulgadas para não prejudicar as investigações”.

Reportagem: Ulisses Carvalho
[email protected]