O HOJE teve acesso com exclusividade aos áudios que motivaram a abertura, na Câmara, de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) contra o vice-prefeito Alexandre Zeitune (Rede) por suposto crime de extorsão. Os fragmentos de áudio podem ser conferidos na rede social do jornal (www.facebook.com/GuarulhosHoje/).
Na terça-feira (6), durante a primeira reunião da CEI, os vereadores integrantes da comissão decidiram não divulgar os áudios que chegaram em um pen drive, de forma anônima, às mãos do vereador Marcelo Seminaldo (PT), hoje presidente das investigações.

Nos fragmentos de áudio, um misterioso “operador” ou “intermediador” tem como propósito convencer o suposto empresário, que também não é identificado, a contribuir financeiramente para a instalação de um comitê eleitoral a ser utilizado nas campanhas de Zeitune, ao governo do estado de São Paulo, e da presidenciável Marina Silva, presidente nacional da Rede.

O intermediário deixa de forma clara os custos desta operação e a divisão da quantia. De acordo com ele, seriam destinados R$ 7 milhões para a estrutura de campanha do vice-prefeito ao Palácio dos Bandeirantes e outros R$ 5 milhões para custear a de Marina na corrida eleitoral para o Palácio do Alvorada. Contudo, não foi possível detectar em qual local seria instalado este comitê.
Na suposta negociação, o “operador” sugere a aquisição de um software para controle e armazenamentos de dados gerados durante o período de campanha no valor de R$ 300 mil, que seria comprado por uma das três empresas de Zeitune, segundo o intermediário. O propósito desta ação seria controlar o alcance dos conteúdos de interesse próprio na mídia.

E para viabilizar esta operação, seria utilizada a cooperativa de crédito da qual Zeitune exerce o cargo de vice-presidente. O responsável por interligar as partes aponta no diálogo mecanismos que poderiam facilitar o processo financeiro e sem deixar rastros, caso o empresário concordasse com o modus operandi proposto.

Como forma de convencimento, este “operador” descreve a postura que o vice-prefeito tem junto ao seu circulo social, e ressalta que com esse comportamento ele consegue obter suposto apoio financeiro nas mais variadas situações.

“O Zeitune é uma pessoa muito bem quista. Ele é muito bem quisto. Sabe uma pessoa que é leal, sabe uma pessoa que meu… Ele é assim! Ele fez grana sendo assim”, declara o misterioso operador.

Acusado prefere não fazer comentários sobre os áudios

O HOJE tentou ouvir o vice-prefeito Alexandre Zeitune por várias vezes na tarde desta quinta-feira (8), mas sua assessoria informou que ele não iria se pronunciar sobre o assunto.
Na última terça-feira (6), durante a primeira reunião da Comissão Especial de Inquerito (CEI) da Câmara, os vereadores participantes resolveram suspender todos os trabalhos até que o material entregue pelo vereador Marcelo Seminaldo (PT) seja periciado.
Nesta sexta-feira (9), a presidência da Câmara Municipal deve anunciar o anúncio sobre a contratação do perito que irá analisar o pen drive e os fragmentos de áudios que são utilizados como provas contra o vice-prefeito.

Antônio Boaventura
antonio.boaventura@guarulhoshoje.com.br
Foto: Ivanildo Porto

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here