Em função da greve, produtos começam a sumir das prateleiras dos supermercados

A greve dos caminhoneiros começa a afetar também outros setores que estão diretamente ligados a distribuição realizada pelo modal rodoviário. Tanto que nas grandes redes de supermercados, produtos começam a sumir das prateleiras por conta do desabastecimento das lojas.

O HOJE visitou algumas lojas na região central e pode constatar a ausência ou a redução nas prateleiras de itens como ovo, bebidas [refrigerantes e água], além de frutas e hortaliças. Os itens encontrados já continha preços bem mais altos daqueles praticados antes da paralisação total da prestação de serviço de transporte rodoviário pelos caminhoneiros.

“Estou com medo de que comece a faltar tudo, por isso estou comprando até em grande quantidade para manter a dispensa por um bom tempo. Hoje já não encontro mais batata e nem ovo. A cebola está com preço alto. Não sei o que vai ser de nós”, lamentou a dona de casa Marta Maria, 39 anos, moradora da Vila Augusta.

“É preciso tomar certo cuidado com esta situação que estamos vivendo para não nos transformarmos em uma Venezuela. Acredito que o bom senso é o melhor caminho para possamos voltar à normalidade”, disse a dona de casa Maria José, 44.

Antônio Boaventura

[email protected]

Foto: Ivanildo Porto