Aeroporto de Guarulhos recebe vigilância canina para evitar entrada de peste suína e febre aftosa

Os auditores fiscais federais agropecuários que atuam no posto de Vigilância Internacional Agropecuária do Aeroporto Internacional de São Paulo – Guarulhos vão receber, nesta sexta (5) a sábado (6), uma equipe canina (K9) para auxiliar a atividade de fiscalização de cargas e bagagens que chegam ao terminal.

Casos recentes de peste suína na Europa, África e Ásia e de febre aftosa na Colômbia colocaram em alerta os auditores fiscais federais agropecuários (Affas) que atuam nos postos de Vigilância Internacional Agropecuária (Vigiagro). Para reforçar a fiscalização no maior terminal de cargas e passageiros do país, eles chamaram o Thor, um labrador de dois anos que já atua na triagem dos Correios, em Pinhais (PR), juntamente com seus condutores, os quais formam a equipe K9-Curitiba.

O último surto de peste suína no Brasil ocorreu em 1978, entrou no país em restos de comida de um avião e gerou grande prejuízo para a suinicultura brasileira. “É trabalho dos auditores fiscais federais agropecuários evitar que produtos que podem conter pragas e doenças entrem no país, para isso, contamos com um trabalho de inteligência que tem, entre outros instrumentos, a equipe K9”, explica o Affa Angelo de Queiroz, coordenador da operação que termina neste sábado.

O Thor integra a equipe K9 de Curitiba, está em atividade desde março deste ano e realizou mais de 700 apreensões entre sementes e produtos vegetais que entrariam ilegalmente no país. “Ele está completando nosso o trabalho. Realizamos previamente uma primeira parte do trabalho na qual avaliamos a procedência do voo, o ponto de origem onde se inicia a viagem dos passageiros, o perfil dos passageiros, as características das cargas e bagagens e a possibilidade de conterem produtos que ofereçam riscos relativos à introdução destas doenças no país. A esses parâmetros soma-se a avaliação prévia do risco sanitário associado a produtos agropecuários específicos. A partir daí o Thor entra em ação e nos ajuda na identificação e apreensão destes produtos por meio do faro muito sensível”, conta o Queiroz.

A utilização de cães na fiscalização agropecuária tem sido proveitosa para os auditores fiscais federais agropecuários. Hoje dois cães estão em atuação. O Thor, em Curitiba, e o Leo, em Brasília. “Leo é nosso garoto-propaganda. Hoje, ele atua mais em treinamento e divulgação do projeto. O Thor está mais no operacional, lá no Paraná”, explica o auditor fiscal federal agropecuário Romero Teixeira, coordenador do Centro Nacional de Cães de Detecção.

Está em andamento a aquisição de dez novos cachorros para atuação em portos e aeroportos do país, além de tratativas com Ministério Público do Distrito Federal para que multas sejam convertidas em aquisição de outros animais.

Em Guarulhos, Thor vai atuar na fiscalização de bagagens e cargas que chegam ao terminal.

Foto: Ivanildo Porto