Com cursos profissionalizantes de panificação, Ong no Jardim Ipanema beneficia mais de 200 famílias

Antônio Boaventura

[email protected]

Foto: Ivanildo Porto

Colocar a mão na massa é, literalmente, sua essência. É com a produção de pães e seus similares, que a Ong Jardim Ipanema beneficia em seu trabalho profissionalizante mais de 200 famílias instaladas naquela região de Guarulhos. Próxima de terminar a formação de 64 pessoas no próximo mês, a alta procura para participar das ações motivou a abertura de uma nova turma de aprendizagem.

“Não tenho nem palavras para descrever a minha emoção. Desde muitos anos atrás que tenho esse sonho e pude realizar. Tive a chance de trabalhar e conhecer o dia a dia de uma padaria e queria colocar este projeto em prática. E conseguimos. Ajudar o próximo faz bem”, disse Zilo Alves, presidente da Ong Jardim Ipanema.

Inaugurada há cerca de quatro meses, a produção e pães e outros itens de panificação atende diariamente cerca de 200 famílias carentes, além de fornecer gratuitamente o alimento para outras entidades filantrópicas do município e igrejas. Sem movimentação financeira, a Organização Não Governamental se mantém por meio de doações.

“É um projeto que nasceu há muitos anos atrás. O presidente já havia trabalhado em padaria e isso motivou a criar esta Ong. É muito bom estar aqui. Vale a pena estar aqui e colocar em prática o conhecimento que obtive ao longo de 35 anos na panificação, inclusive em Portugal, onde morei, e passar para as pessoas”, disse Ademir Gomes, padeiro e coordenador do projeto.

Apesar do pouco tempo de existência, alguns alunos já conseguem lucrar com a produção própria de pães e derivados com os ensinamentos obtidos nos cursos de padeiro e confeiteiro. Este é o caso de Maria Sobral, 55 anos, que produz o alimento e conta com a ajuda de seu filho na comercialização dos mesmos.

“Pra mim é muito gratificante, até por que já estou ganhando os meus troquinhos. Já estou fazendo em casa e vendendo, além de estar montando o meu ponto comercial para vender o que faço”, concluiu.