Guarulhos tem alta de 40% no número de mortes no trânsito em dez meses

Antônio Boaventura

[email protected]

Na contramão dos índices estaduais, Guarulhos registra alta no número de mortes no trânsito nos últimos dez meses. Segundo dados fornecidos pelo Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo (Infosiga – SP) houve um crescimento de 40% destes casos em comparação aos meses de janeiro a outubro de 2017.

Nos dez meses deste ano, o Infosiga registrou 134 mortes nas vias de trânsito da cidade, incluindo as rodovias Ayrton Senna, Fernão Dias, Hélio Smidt e Presidente Dutra. No mesmo período de análise, o sistema registrou também o crescimento de mortes ocasionadas por colisão entre veículos.

Entre janeiro e outubro do ano passado, o Infosiga aponta a existência de 24 acidentes com vítimas fatais. Enquanto no mesmo período deste ano ocorreram outros 47. Ou seja, alta de 98%. Em todo estado de São Paulo, o número de mortes no trânsito no período destacado apresentou queda de aproximadamente 5%.

Entretanto, quase 70% das vítimas fatais em acidentes provocados por motocicletas em Guarulhos estão na faixa etária de até 29 anos. No mês de junho do ano passado, o município registrou seis óbitos relacionados à condução deste veículo. Entretanto, esse número veio a se repetir no mesmo período deste ano.

No período compreendido aconteceram 12 acidentes com vítimas fatais no trânsito guarulhense envolvendo motocicletas. Destes, oito estavam na faixa etária de até 29 anos. Um deles era menor de idade, três entre 18 e 24 anos e outros quatro com idade entre 25 e 29 anos. Houve também registro de óbitos envolvendo pessoas que estavam na faixa etária entre 30 e 64 anos.

Estes acidentes aconteceram em sua maioria no período noturno entre 18h e 24h, tendo o sábado como o dia de maior constatação de incidentes no trânsito com 34%.

De acordo com o Infosiga, 92% das vítimas são do sexo masculino, enquanto apenas 8% das mulheres morrem em acidentes com envolvimento de motocicletas nas vias da cidade. O relatório também aponta o condutor como a principal vítima deste tipo de fatalidade.

Foto: Ivanildo Porto