Hospital concentra 58% das mortes em SP; prefeitura paulistana pede intervenção

Hospital concentra 58% das mortes em SP; prefeitura paulistana pede intervenção
SP - HOSPITAL-SANCTA-MAGGIORE-MORTE-CORONAVÍRUS - GERAL - Vista da fachada do Hospital Sancta Maggiore na região do Paraíso em São Paulo (SP), nesta quarta-feira (18), onde ocorreu a primeira morte no país, por conta do coronavírus. 18/03/2020 (Foto: GUILHERME GANDOLFI/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)

A rede Prevent Senior concentra 79 das 136 mortes (58%) já registradas por coronavírus no Estado de São Paulo. No total, o Brasil já tem 201 óbitos confirmados pela doença. A Prefeitura da capital paulista disse ter pedido intervenção sanitária na Prevent ao governo estadual, que ainda vai analisar o pleito. A rede particular, voltada para idosos, disse seguir os protocolos da Organização Mundial da Saúde (OMS) e negou que o número registrado seja alto.

“Ali é um fenômeno, porque um determinado empresário tinha que fazer um plano de saúde só para idoso. Como os idosos compram, ele fez uma carteira muito idosa. O hospital inteirinho é de idoso. Entrou o corona dentro de um hospital só de idosos, é um ponto fora da curva. Eles não conseguiram segurar ali dentro”, disse o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Mandetta disse que as mortes foram em um único hospital, mas a Prevent Senior afirmou que foram em duas unidades, no Paraíso, zona sul, e em Santa Cecília, na região central.

A Secretaria Municipal de Saúde informou que solicitou à Secretaria Estadual da Saúde, na última sexta-feira, 27, uma intervenção sanitária temporária em três unidades da Prevent Senior.

Fernando Parrillo, CEO da Prevent Senior, afirmou que os hospitais da rede estão seguindo o protocolo da OMS. Ele negou que o número de mortos na rede — 79 em dois hospitais (Sancta Maggiore do Paraíso e de Santa Cecília) — seja um número alto