Bolsonaro admite que falou ‘PF’ na reunião e que ‘interferência’ visou a segurança familiar

O presidente Jair Bolsonaro admitiu nesta sexta-feira (15) que falou a palavra “PF” na reunião ministerial do dia 22 de abril. Ele ressaltou, no entanto, que se posicionou para interferir em assuntos de segurança física de sua família, e não em temas de inteligência e investigações dentro da corporação.

No início da semana, Bolsonaro havia dito que não mencionou o termo “Polícia Federal” durante a reunião. O encontro ministerial é alvo de inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar denúncias do ex-ministro Sergio Moro de que Bolsonaro tenta interferir politicamente na PF.

O relator do caso, ministro Celso de Mello, vai decidir se torna público o inteiro teor do vídeo.Nesta quinta (14), a Advocacia-Geral da União divulgou a transcrição parcial da reunião, em que aparece o presidente falando “PF”. Bolsonaro reconheceu que o texto divulgado pela AGU corresponde à realidade.

Na saída do Palácio da Alvorada, jornalistas questionaram Bolsonaro sobre a palavra “PF” ter aparecido na transcrição da AGU, contrariando a versão do presidente para a reunião.

“Está a palavra PF, duas letras: PF”, respondeu o presidente.

Diante de novas perguntas sobre o tema, Bolsonaro disse que quer que as falas dele no vídeo sejam divulgadas, para que seja feita a interpretação “correta” sobre a reunião.

Bolsonaro defendeu que não sejam mostradas as partes em que ele fala sobre “questões que têm a ver com política externa e segurança nacional”.

Bolsonaro encerrou a entrevista quando a imprensa tentou questioná-lo se o ministro Augusto Heleno (GSI) se recusou a fazer mudanças na segurança do presidente. Cabe ao GSI a segurança de Bolsonaro e familiares.

Na transcrição do vídeo da reunião, entregue pela AGU, Bolsonaro afirmou que tentou trocar “gente da segurança nossa no Rio”, mas sem sucesso. A transcrição mostra que Bolsonaro disse que, se não conseguisse realizar a mudança, demitira o ministro – a transcrição não cita Heleno ou Moro.

“Eu não vou esperar f. minha família toda de sacanagem, ou amigo meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence à estrutura. Vai trocar. Se não puder trocar, troca o chefe dele. Se não puder trocar o chefe. Troca o ministro. E ponto final. Não estamos aqui para brincadeira (…)”, diz trecho da transcrição.