Fiscalização aumenta e apreensão de maconha sintética sobe aproximadamente 500% em presídios de 2019 para 2020

Conhecida como K4, nova droga é mais fácil de ocultar em objetos encaminhados por correspondência 

Levantamento da Secretaria da Administração Penitenciária aponta que, no comparativo entre janeiro a julho/2019 e janeiro a julho/2020, houve um aumento de 488,83% no número de apreensões da droga K4 em correspondências e na área externa de presídios em todo o estado de São Paulo.  

Ao todo, foram 472 ocorrências em 2020, ante 86 no mesmo período do ano passado. Só nas 28 unidades prisionais da Capital e Região Metropolitana de São Paulo foram registradas 192 apreensões neste ano, um aumento de 405% em relação aos números de 2019. 

A K4, popularmente conhecida como maconha sintética, é formada por substâncias que simulam ou têm uma reação muito parecida com o THC que é o princípio ativo da maconha, porém, muito mais potente. Na forma líquida, ela é borrifada em pedaços de papel na tentativa de burlar a vigilância dos agentes. 

A política da SAP é de não tolerância à entrada de ilícitos, inclusive entorpecentes, em suas unidades prisionais. Todos os Centros de Detenção Provisória, Penitenciárias e Centros de Progressão Penitenciária do Estado contam com escâner corporal. Todas as unidades prisionais do Estado também estão equipadas com aparelhos de Raio-X de menor e maior porte, além de detectores de metais de alta sensibilidade. Esses equipamentos ajudam a coibir a entrada de equipamentos e drogas, atrelados a uma vigilância constante dos agentes de segurança, treinados para evitar a entrada de ilícitos nas unidades, além de revistas periódicas nas dependências dos presídios. 

Unidades prisionais da Capital e Grande São Paulo 

Local Apreensões registradas de Jan. a Jul/2019 Apreensões registradas de Jan. a Jul/2020 
ABC Paulista 11 34 
Capital 23 
Franco da Rocha 13 119 
Guarulhos 16 
Osasco 
Itapecerica da Serra