Estado restringe atendimento no HGG apenas para Samu e vítimas de acidentes em rodovias

Antônio Boaventura
[email protected]

A partir da próxima segunda-feira (1º defevereiro), o Hospital Geral de Guarulhos (HGG) passa à atender, por tempo indeterminado, apenas demandas oriundas do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de pessoas acidentadas em rodovias e grávidas. Ou seja, sem atendimento à população. Essa readequação no atendimento, segundo a Secretaria de Saúde do Estado, se deve a alta do número dos casos de infecção e mortes causadas pela covid-19

O HOJE obteve a informação, de que por conta dessa reorganização estrutural administrativa, os pacientes que poderiam ser atendidos pelo HGG deve ser direcionados à procurar atendimento nas Unidades de Pronto Atendimento Cumbica e Jardim São João, que pertencem a rede pública de saúde do município de Guarulhos. Contudo, a Prefeitura não confirmou essa possibilidade, mas também não descartou.

De acordo com a Secretaria de Saúde, o Hospital Geral de Guarulhos realiza atendimentos ambulatoriais e de urgência/emergência. Os atendimentos ambulatoriais têm suas vagas ofertadas através do Portal CROSS, no qual as unidades realizam agendamentos. Já os atendimentos de urgência seguem a grade de referências publicada no Diário Oficial de 29/09/2020, através da Portaria nº. 204/2020-SS.

Contudo, a referida pasta afirma não concordar com a decisão do Governo do Estado em referenciar o atendimento dos hospitais estaduais a partir de 1º de fevereiro, apesar de entender que a medida se justificaria caso o Brasil não estivesse enfrentando a pandemia do novo coronavírus. A adoção da medida impactará diretamente no aumento expressivo da demanda de pacientes nas unidades municipais de pronto atendimento (4 UPAs e 5 PAs) do município, além dos três hospitais municipais e nas UBS.

Isso ocorre em um momento em que Guarulhos enfrenta um crescimento quatro vezes maior na procura da população por serviços médicos, sobretudo relacionados a síndromes respiratórias, incluindo a covid-19. Pesará ainda mais sobre o município esse previsível aumento na demanda, já que o Estado não oferece em Guarulhos nenhum tipo de atendimento do gênero.

Ou seja, apesar de entender que os hospitais, sejam eles estaduais ou municipais, não devam ser utilizados para atendimentos menos complexos, que não se configurem como emergência médica, a Secretaria alerta para uma situação crítica nos serviços prestados à população.

Já a Secretaria de Saúde do Estado ressalta que tem atuado para salvar vidas e combater a pandemia de covid-19. Com o recrudescimento da doença, o pronto-socorro do Hospital Geral de Guarulhos passa por readequação de seu perfil e intensificará a realização da triagem por classificação de risco e orientará os pacientes também sobre a disponibilidade de outros serviços de saúde da rede primária de saúde, apropriados para casos mais leves. .A medida visa priorizar o atendimento a casos graves e gravíssimos nos hospitais mais capacitados e equipados.