Câmara Municipal abre sindicância para apurar prejuízo em aplicações financeiras na gestão de Jesus

Da Redação
[email protected]

A Câmara Municipal abriu sindicância para apurar possíveis irregularidades em aplicações financeiras realizadas na gestão do ex-vereador Professor Jesus (Republicanos), ex-presidente daquela Casa de Leis e atual vice-prefeito e secretário de Cultura, que acredita ser esta ação uma conspiração contra ele. De acordo com o legislativo guarulhense, essas ações pode ter causado um prejuízo de R$ 500 mil.

O HOJE obteve a informação de que as aplicações foram feitas em renda fixa e que a Câmara Municipal escolheu a Caixa Econômica Federal para aplicar o dinheiro. Existem aplicações em renda fixa conservadoras, ultra conservadoras e moderadas. A gestão da Casa de Leis, naquela ocasião, escolheu as moderadas, que tem um risco real de dar algum prejuízo conforme as variações do mercado financeiro.

Em contrapartida, a Câmara revelou que esta ação é uma determinação do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP), e que todo dinheiro que estiver em caixa é recomendado que seja aplicado. Contudo, o legislativo tem como base de apuração a falta de diligência na verificação diária dos recolhimentos das aplicações escolhidas, que causou a rentabilidade negativa. O respectivo processo administrativo foi aberto na última terça-feira (18).

Já Professor Jesus, ex-presidente daquela Casa de Leis, entende que a sindicância possa ser um ato de conspiração contra ele, além de negar a existência de qualquer irregularidade neste processo apontado pela administração do vereador Fausto Martello, atual mandatário. O mesmo revelou que não há motivos para maiores preocupações.

“Parece que sim [disse sobre a abertura da sindicância]. Mas, estou tranquilo. Eles querem me detonar, mas não vai conseguir. Deus é justo! Terá a sindicância para saber, parece me que era uma verba que Finanças não aplicou”, concluiu Jesus.