Anac desmente SP e diz que não há prazo para o início das obras do monotrilho do aeroporto

Mesmo o secretário dos Transportes Metropolitanos do Estado, Alexandre Baldy, tendo anunciado que o monotrilho, ou People Mover como é mais conhecido, que interligará os terminais 1, 2 e 3 do Aeroporto Internacional de Guarulhos à Linha 13-Jade da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos de São Paulo (CPTM), terá suas obras iniciadas entre 60 e 90 dias sob a responsabilidade do GRU Airport, consórcio que administra o aeroporto, o imbróglio continua.

Segundo o secretário, em palestra realizada na sede da Associação Comercial de São Paulo nesta quinta-feira (5), “a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) aprovou um aditivo nesta semana que dá esta responsabilidade ao consórcio” [de construir o monotrilho], porém, a assessoria de imprensa do GRU Airport se limitou a dizer ao HOJE, na manhã desta sexta-feira (6), que “ainda não foi tomada uma decisão”.

Perguntada se a decisão ainda a ser tomada seria com relação a prazos para início das obras ou sobre o próprio People Mover, a assessoria silenciou até a conclusão desta edição.

A Anac, por sua vez, informou que ainda não ocorreu a assinatura do aditivo do contrato de concessão, ao contrário do que informou Baldy, e que isso só poderá ocorrer se a concessionária [GRU Airport] aceitar os termos, portanto não existe ainda prazo definido para o início das obras.

Em nota enviada à redação, diz a Agência Nacional de Aviação Civil: “O termo aditivo aprovado pela Diretoria da Anac, no dia 27/07/21, versa sobre a inclusão do investimento em questão, a ser realizado pela concessionária do aeroporto de Guarulhos, que realizou procedimento de seleção de propostas – em dezembro de 2019 – para reunir e avaliar projetos de sistema de conexão rápida que pudessem ser implementados no aeroporto.

Manifestações do Minfra e do TCU são condicionantes à assinatura do termo aditivo ao contrato de concessão entre a Anac e a concessionária, que também deve aceitar os termos. Ressaltamos que o aditivo do contrato de concessão somente poderá ser assinado após manifestação positiva dos referidos órgãos, e só então deverão ser iniciadas as obras. Portanto, não há um prazo definido para início das obras”.

Baldy diz que o People Mover se trata de ‘uma obra simples’

Durante palestra na ACSP, Alexandre Baldy foi enfático: “A construção já vai começar”. Na ocasião, ele ainda explicou que “é uma obra simples, mas ela vai trazer uma grande solução”. De acordo com o secretário, o Governo do Estado começou a intermediar esta discussão em 2019 quando o próprio Baldy procurou o Ministério da Infraestrutura para encontrar uma solução para o caso.

“Diziam que a Linha 13 da CPTM precisava passar por dentro dos terminais e ela nunca foi projetada para isso”, afirmou. “Os trens avançarão para o bairro Bonsucesso (em Guarulhos), uma região com quase meio milhão de habitantes, e nunca teve o objetivo de entrar no aeroporto”, complementou.

Ainda segundo Baldy, o Governo até poderia custear a obra do monotrilho, caso não houvesse uma resposta para o impasse, mas o usuário do aeroporto teria de pagar tarifa ao poder público, “o que não faria sentido”.