Contrato do ‘People Mover’ do Aeroporto de Guarulhos será assinado nesta quarta

Concepção artística mostra o People Mover em frente ao Terminal 3 de Guarulhos (AeroGRU)

O esperado “People Mover” que fará a ligação entre os três terminais do Aeroporto de Guarulhos e a linha de trens da CPTM terá o aditivo contratual assinado na próxima quarta-feira (8). O presidente Jair Bolsonaro poderá comparecer ao Aeroporto Internacional de Guarulhos, junto do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

“Além de garantir o acesso de passageiros, trabalhadores e usuários ao aeroporto pelo modal ferroviário, de forma rápida e confortável, o People Mover beneficiará o meio ambiente: a redução no número de veículos circulando nas imediações do aeroporto diminuirá, consequentemente, a emissão de CO2 e dos congestionamentos verificados na região”, diz comunicado emitido pelo Ministério da Infraestrutura.

A promessa faz parte do pacote “Setembro Ferroviário”, anunciado pelo ministro Tarcísio de Freitas.

Em ocasião anterior, Tarcísio afirmou que as obras da linha de 2,6 km serão iniciadas em janeiro de 2022 e concluídas até dezembro de 2023. Com o sistema pronto, será possível chegar ao terminais utilizando a rede de trens e metrô de São Paulo sem a necessidade de uso dos ônibus oferecidos pela concessionária GRU Airport.

A implantação do People Mover foi prometida pela GRU há quase 10 anos, mas não saiu do papel por falta de recursos. Em 2019, o governo estadual e o federal anunciaram a retomada do projeto com previsão de conclusão em 2021.

No entanto, um impasse entre a ANAC e a GRU Airport quanto ao fornecedor do sistema de trens prolongou a definição do aditivo contratual que permitirá sua implantação. O governo federal havia aceitado abrir mão de parte da outorga devida pela concessionária para viabilizar o projeto.

A GRU Airport fez uma consulta ao mercado para receber propostas em que um grupo brasileiro, o AeroGRU, se mostrou o mais em conta. A concessionária, entretanto, demonstrou temores quanto à viabilidade desse sistema, semelhante ao que funciona no Aeroporto Salgado Filho e que é movido por uma espécie de “vela”.

Para a GRU, a proposta da empresa austríaca Doppelmayr seria mais confiável já que ela tem vasta experiência nesse tipo de equipamento. Porém, o consórcio GRU Connecta pediu um valor muito mais alto, o que foi vetado pelo governo.

A solução surgiu em junho quando a ANAC decidiu preparar uma minuta de aditivo limitando os valores a serem gastos na construção e operação, baseados na oferta da AeroGRU. É esse ‘contrato’ que é citado pelo Ministério da Infraestrutura como prestes a ser assinado.

No mesmo dia também deve ser assinado o contrato com a empresa que ficará responsável por realizar a obra. O novo transporte deve custar R$ 145 milhões. O governo federal pretende anunciar uma série de projetos sobre trilhos neste mês.

“Sobre o prazo de execução, o próprio ministro Tarcísio disse que a perspectiva é de 24 meses. Como é um objetivo simples, acredito que se fosse feito pelo Metrô, em 12 meses nós conseguiríamos executar”, afirmou o secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, durante visita a Guarulhos na última semana.

Raridade no Brasil

A ligação dos aeroportos aos sistemas de transporte sobre trilhos é bastante incomum no Brasil. Além de Guarulhos, também o Aeroporto de Congonhas deverá ganhar uma estação próxima, mas nesse caso de metrô, a Linha 17-Ouro do monotrilho, cuja previsão de entrega é de 2022.