Coluna 35

Justa Homenagem

Um Projeto de Lei apresentado pelo vereador Geraldo Celestino (PSC), prevê a alteração do nome do viaduto estaiado que liga a Rodovia Presidente Dutra à Avenida Paulo Faccini, considerado o símbolo da cidade. De acordo com a proposta, o nome passaria a ser “Viaduto de Guarulhos – Prof. Antônio Veronezi”, para homenagear o educador e empreendedor que faleceu de covid-19 em janeiro deste ano.

Mais que justa

Antônio Veronezi mudou a educação de Guarulhos com a implantação de uma universidade na cidade (UnG), deu novo rumo ao comércio através da construção de shoppings centers de grande porte (o Internacional é o 4º maior do Brasil) e conseguiu que o ex-governador Geraldo Alckmin alterasse o projeto de ampliação do Metrô e incluísse duas estações na cidade. Veronezi é um grande exemplo de empreendedor que sempre acreditou e investiu em Guarulhos.

DOM

O Instituto DOM Saúde, que assumiu o controle do Hospital Municipal de Urgência (HMU), parece estar com problemas em assumir o passivo deixado pela Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Birigui, Organização Social de Saúde (OSS) que o antecedeu. A dificuldade está em reconhecer de quem é esse problema e quem pagará a conta. A Coluna 35 está em busca de vistas ao processo e contrato da DOM Saúde (e está difícil), a fim de entender melhor a questão, que está bem parecida com a série policial homônima da Amazon.

Ciro em Guarulhos

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) estará hoje em Guarulhos. Radicado no Ceará desde os 5 anos de idade, esse pindamonhangabense, hoje com 63 anos, construiu uma carreira política nacional através de muitas polemicas e, agora, parece que leva até o fim sua candidatura. Pela manhã, Ciro dará palestra na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, na região central da cidade, e à tarde, terá reunião na regional do Centro das Industrias (CIESP).   

Sete fôlegos

A Proguaru adquiriu sobrevida nos últimos dias, e aquela minúscula chance de se manter viva, parece ter crescido. De um lado, o relatório da Comissão Especial de Estudos (CEE) da Câmara não é votado e dá chance para uma reviravolta numa possível decisão favorável do Tribunal Regional Eleitoral (TER) ao Referendo. De outro lado, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-SP), além de julgar legal a greve dos funcionários, ampliou para 90 dias a estabilidade dos trabalhadores.