Exposição ‘O Dia Seguinte’ no Museu Catavento discute mudanças climáticas

Foto: Higor Bono/Divulgação

Acontece até dia 14 de novembro a exposição gratuita “O Dia Seguinte”, que tem como foco a conscientização acerca da crise climática a partir dos centros urbanos. A mostra traz espaços lúdicos e sensoriais para o público experienciar os efeitos das mudanças climáticas e suas consequências nas cidades. A exposição – viabilizada por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura – ocupa o Museu Catavento, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do estado de São Paulo, administrada pela Catavento Cultural e Educacional.

“O Dia Seguinte” conta desde a história do aquecimento global, explicando como a Humanidade chegou até aqui, e apresenta soluções possíveis para a crise climática a partir das cidades. Atualmente, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), os centros urbanos ocupam apenas 3% da superfície do planeta, mas consomem 70% de toda a energia gerada no mundo. “Acredito que precisamos repensar nosso estilo de vida como um todo, e o conhecimento é o primeiro passo das mudanças. Tendo informação, nós podemos escolher a cidade e o mundo que queremos viver. É esta reflexão que propomos ao longo da experiência na exposição”, afirma Felipe Lobo, diretor da produtora Na Boca Do Lobo, idealizador e realizador do evento.

Para falar da relação entre cidades e clima, O Dia Seguinte usa dois pontos de partida: a cidade do futuro que queremos e a que não queremos, e com isso mostra como os modelos de desenvolvimento urbano impactam positiva e negativamente o clima, trazendo temas como infraestrutura, paz e segurança, saúde, igualdade de gênero, justiça climática, direitos humanos, segurança alimentar e energia como fatores a se refletir.

A vivência da exposição passa por cinco módulos que unem informações em projeções, pisos de led, telas interativas, animações, jogos e experiências empíricas a fim de pensar em como as cidades impactam o clima e como elas são um elemento transformador para a construção de um mundo sustentável.

O passado do mundo é apresentado ao público na entrada da exposição, para que se entenda tanto o presente quanto potenciais futuros. Nesta etapa, um piso de LED mostra a dualidade entre os aspectos positivos e negativos das cidades, convidando os espectadores para o início da reflexão. No mesmo ambiente, também há uma grande escultura do globo terrestre feita por resíduos domésticos que chama a atenção para o impacto do consumo diário da sociedade.

Em [Des]ordem, o público é convidado a refletir como a desigualdade social nas cidades faz com que os impactos climáticos sejam sentidos em maior nível por populações economicamente vulneráveis. A ONU estima que em 2050 podemos ter 250 milhões de refugiados climáticos no mundo. Neste módulo, em uma sala escura, alvéolos de LED nas paredes e no teto projetam eventos climáticos extremos reais pelo mundo promovendo uma experiência imersiva, complementada com uma intensa experiência sensorial de chuvas, fumaças e ventos. Já em [Des]humanidades, a exposição apresenta ao público histórias reais de pessoas impactadas pelos eventos climáticos extremos, que deixam rastros de destruição por onde passam.

Com animações em 2D e 3D projetadas em paredes, no piso e em um globo terrestre, a exposição apresenta em [Trans]formação a história da Humanidade, desde a Pangeia, passando pelos dinossauros, História Antiga, até chegar na Revolução Industrial, momento em que acende o farol amarelo do planeta, com o surgimento das grandes cidades e suas tecnologias modernas.

[R]evolução, o último módulo da exposição, traz mensagens de esperança apresentadas em torres de LED, que mostram uma cidade do futuro possível com espaços mais organizados, limpos e habitáveis, energias renováveis, transportes públicos eficientes, saneamento básico universal, alimentação saudável, microclima equilibrado e desenvolvimento tecnológicos.

Nesta etapa, “O Dia Seguinte” convida o público a mergulhar nas reflexões provocadas pelos módulos anteriores, trazendo painéis informativos com infografias interativos e jogos que falam sobre os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) elencados pela ONU para que os visitantes se aprofundem mais no tema e visualizem os benefícios da adoção de modelos de desenvolvimento mais sustentáveis.

“Durante toda a exposição, nós buscamos trazer o passado, o presente e as possibilidades futuras para que o público possa refletir os caminhos que estamos tomando como sociedade”, conta Felipe Lobo. “Nós buscamos trazer também bons exemplos de cidades atuais para mostrar ao público a viabilidade de modelos sustentáveis de desenvolvimento”.

A exposição “O Dia Seguinte” segue o modelo de compensação de carbono em sua organização, tendo parceria com o Programa Amigo do Clima, reduzindo a emissão de gases do efeito estufa durante toda a Mostra. A exposição também tem seu conteúdo em audioguias e libras, gravados sequencialmente e disponibilizados em tablets.

Para mais informações, visite o site: https://www.odiaseguinteexpo.com.br/a-exposicao

Serviço:
Exposição O Dia Seguinte
Museu Catavento
Endereço: Av. Mercúrio, s/n – Parque Dom Pedro II, São Paulo
Horário de funcionamento: De terça a domingo das 9h às 17h
Agendamento de visitas: De segunda a sexta-feira, das 9h às 17h pelos telefones 11 3246 4067 /4140/ 4167.
Preço: Gratuito
Classificação indicativa: livre
Até 14 de novembro

Imagens para divulgação podem ser encontradas aqui.
Sobre “O Dia Seguinte”:

Realizada pela primeira vez em 2019, no Rio de Janeiro, a exposição “O Dia Seguinte” busca informar o espectador sobre as mudanças climáticas, o aquecimento global e a crise climática e o papel dos centros urbanos nos impactos ambientais positivos e negativos.

Feita pela empresa de produções e conteúdo Na Boca do Lobo, a mostra busca trazer a conscientização acerca do clima a partir de atividades interativas e imersões sensoriais, discutindo como saúde, moradia, renda, igualdade e educação impactam o clima e como é possível um modelo de desenvolvimento sustentável nas cidades.

A exposição tem apresentação do Ministério do Turismo por meio da Lei de Incentivo à Cultura e patrocínios Prata da Colgate-Palmolive e Bronze do banco BV e da Brasilseg. O Museu Catavento – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do estado de São Paulo – é parceiro especial. Conta com apoio da Open Society Foundations, além de ONU-Habitat, UNIC-Rio, Transporte Ativo, WayCarbon, LeToon.

Compensação de Emissões: Amigo do Clima

Sobre o Museu Catavento

O Museu Catavento foi inaugurado em março de 2009 e tem mais de 250 instalações divididas em quatro seções (Universo, Vida, Engenho e Sociedade). Cada seção foi elaborada com uma expografia que contribui para criar atmosferas únicas e envolventes. Atrações como borboletário, sala de realidade virtual Dinos do Brasil, simuladores, aquários de água salgada, anêmonas e peixes carnívoros e venenosos, uma maquete do sol e uma parede de escaladas, onde é possível ouvir relatos de personalidades da história, são apenas alguns exemplos de como o visitante pode aprender e se divertir ao mesmo tempo. Na área externa também é possível conferir equipamentos como a locomotiva Dübs (fabricada em 1888 na Inglaterra que pertenceu à Cia. Paulista de Estradas de Ferro e foi usada brevemente para o transporte de carga) e o avião DC-3 (1936), que foi utilizado como cargueiro militar na Segunda Guerra Mundial.