À PF, Jair Renan nega tráfico de influência

Foto: Reprodução/Redes socias

O filho mais novo do presidente Jair Bolsonaro (PL), Jair Renan, foi ouvido pela Polícia Federal (PF) nesta quinta, 7. O depoimento foi prestado em uma investigação que apura se ele usou o acesso ao Planalto para obter benefícios pessoais, o que configura crime de tráfico de influência. O inquérito apura também suspeita de lavagem de dinheiro.

A investigação foi aberta após o jornal O Globo divulgar que Jair Renan teria recebido um carro elétrico de representantes da Gramazini Granitos e Mármores Thomazini, avaliado em R$ 90 mil. Um mês após a suposta doação, em outubro de 2020, a empresa conseguiu agendar um encontro com o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, com participação do filho do presidente.

“Nunca recebi nenhum carro, nenhum dinheiro. Nunca fiz lavagem de dinheiro”, disse Jair Renan, que foi à superintendência da PF no Distrito Federal acompanhado do advogado Frederick Wassef. “Não marquei nenhuma reunião com o governo. Nunca pedi nada ao governo direta ou indiretamente. Eu não faço parte do governo federal”, completou. “Nunca pedi para ir a reunião. Só me convidaram. Fui porque conhecia o pessoal lá. Entrei mudo e saí calado.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

- PUBLICIDADE -