Aeroviários e aeronautas fazem protesto no Aeroporto de Cumbica

Os aeroviários e aeronautas realizarão hoje, a partir das 6h, um protesto no GRU Airport – Aeroporto Internacional de Guarulhos, em Cumbica. O ato é o lançamento da Campanha Salarial 2016/2017 da Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil (Fentac), filiada à CUT, que neste ano visa chamar a atenção para a segurança de voo.

O slogan da campanha é “Profissional Fadigado, Seu Voo Ameaçado” que tem o objetivo de mostrar que as empresas aéreas têm adotado políticas severas de redução de custos, que querem acabar com a profissão de mecânico de aeronave e em alguns casos estão substituindo esses profissionais altamente qualificados por trabalhadores não habilitados para essa função. Esse fato somado às escalas exaustivas dos tripulantes com o aumento da terceirização de atividades essenciais, como agente de rampa e bagagem, geram um enorme perigo para segurança de voo dos passageiros que voam nas aeronaves.

“A precarização e a terceirização comprometem todo o sistema operacional e isso afeta a segurança de voo. Nem nós e muito menos as empresas querem que isso aconteça. Por isso é fundamental que as companhias aéreas remunerem bem esses profissionais e invistam em treinamento, que são imprescindíveis para garantir um voo seguro”, explica o presidente da Fentac, o aeronauta Sergio Dias.

Estão em campanha salarial na base da Federação cerca de 70 mil aeroviários (trabalhadores que atuam em solo) e aeronautas (que atuam dentro da aeronave – pilotos, copilotos, comissárias (os). A concentração será em frente à sala do Sindicato dos Aeroviários de Guarulhos, localizada entre os Terminais 2 e 3, no desembarque doméstico, no térreo (entrada da Infraero).

Reivindicações – Em assembleias dos aeronautas foram aprovadas as seguintes reivindicações: reposição integral da inflação da data-base, 1 de dezembro, e mais 5% de ganho real (produtividade), a garantia do nível de emprego nas bases da Fentac, bem como a manutenção dos direitos nas Convenções Coletivas de Trabalho e a ampliação e melhorias nos direitos econômicos e sociais. “Não vamos abrir mão da reposição da inflação. Os aeroviários e aeronautas trabalharam arduamente nestes últimos 12 meses e, portanto, têm direito a receber pela riqueza que ajudaram a produzir”, frisa Dias.