Invasão e vários furtos de fiação elétrica no Residencial Lavras atrasa reassentamento

As 225 famílias que moram em áreas de risco nas regiões da Vila Any, Vila Laurita e Jardim Guaraci, terão que aguardar mais um mês para mudar-se para o Residencial Lavras, segundo a Caixa Econômica Federal (CEF).

No mês de agosto, o Departamento de Águas e Energia Elétrica (Daee) tinha afirmado que todos os moradores seriam reassentados até o final de outubro. Agora, o motivo da espera para a mudança foi à invasão e furtos de fiação elétrica em 11 blocos (220 apartamentos), segundo o órgão estadual.
O programa prevê a mudança de 675 famílias, das quais 450 já fizeram o reassentamento. A CEF informou que os furtos ocorreram entre os meses de julho e agosto.

Os crimes não foram registrados por câmeras de segurança. A Caixa disse que os equipamentos não estavam instalados no local por “por se tratar de condomínio novo, em fase de ocupação dos beneficiários”.
A fiação furtada refere-se a cabos externos, da área comum do condomínio. Os apartamentos não sofreram depredações, segundo a CEF. Um Boletim de Ocorrência foi registrado no 7º DP (Jardim São João).
A transferência das famílias é uma importante etapa do processo de conclusão das obras da ponte da Vila Any. A cabeceira da ponte ligará Guarulhos a São Paulo e, para a conclusão do empreendimento, falta apenas construção da cabeceira do lado do município.

A obra iniciou em março de 2014 com prazo para conclusão em outubro do mesmo ano. A obra, cujo convênio entre a Prefeitura de Guarulhos, São Paulo e o Governo do Estado, resultaram num investimento de R$ 6,1 milhões.

Reportagem: Leticia Lopes
Foto: Ivanildo Porto