Ministério Público recorre da absolvição de pai que espancou e cortou a força os cabelos da filha

Após a decisão publicada na última semana sobre a absolvição de um pai que teria espancado a filha de 13 anos, o Ministério Público resolveu entrar com um recurso da decisão do juiz guarulhense Leandro Bittencourt Cano, que inocentou o pai da vítima alegando que o homem teria aplicado uma correção física contra a filha.

De acordo com a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), o homem espancou a menina depois de descobrir que ela estava em um relacionamento sério com um rapaz e que havia perdido a virgindade com ele. A surra aplicada de fio, deixou lesões nas costas da menina, que também teve os cabelos cortados pelo pai.

Para Cano, tudo isso demonstra a intenção do pai em corrigir o comportamento da filha, não no objetivo de machucá-la, mas no entendimento do magistrado, o pai cortou os cabelos da menina porque ficou preocupado com a repercussão da notícia da perda da virgindade na escola, como uma forma de impedi-la de sair de casa.