Iluminação da rodovia Presidente Dutra é discutida em audiência na Câmara

A Comissão de Trânsito e Transportes da Câmara de Guarulhos realizou uma audiência pública, na manhã desta segunda-feira (30), para debater a implantação de iluminação e a necessidade de incrementar o sistema de monitoramento na Rodovia Presidente Dutra. A iniciativa da audiência partiu do vereador Jorge Tadeu (PMDB) que havia discutido o tema com representantes da Polícia Rodoviária Federal.

Os trabalhos foram iniciados pelo parlamentar João Barbosa (PRB), que é o presidente da Comissão de Trânsito e Transportes, e, além de Jorge Tadeu, a audiência contou com a presença dos parlamentares Acácio Portella (PP), Moreira (PTB) e Geraldo Celestino (PSDB). Também participaram dos debates o secretário de Segurança Pública Gilvan Passos, o secretário de Transportes e Trânsito Giuliano Locanto, o deputado federal Jorge Tadeu Mudalen, a vereadora da cidade de São Paulo Sandra Tadeu, representantes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da concessionária CCR Nova Dutra e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Linaldo Serafim, da PRF, fez uma explicação técnica sobre a importância da iluminação pública na rodovia e, por meio de estudos de casos, mostrou como essa questão pode resultar na redução de acidentes, de mortes e de custos.  Além de dados estatísticos sobre acidentes e seus custos, Serafim abordou os impactos causados pelos acidentes na Dutra e os benefícios que a iluminação traria.

O chefe substituto da PRF Guarulhos Celso Fernandez explicou que o trecho onde se pretende instalar os pontos de iluminação e de monitoramento vai do quilômetro 204 até 231. “Esse é o trecho de maior mortalidade por atropelamento do Brasil”, salientou. Fernandez afirmou que a ideia é que a implantação da iluminação e do monitoramento ocorra em até dois anos.

De acordo com Celso Fernandez, o custo dessa implantação (tanto da iluminação quanto do monitoramento) é de R$ 28 mi. Ele explicou que, além de prevenção de acidentes, esse sistema também visa o combate do crime organizado e da violência no trânsito, por meio da repressão de furtos e roubos, roubo de cargas, tráfico de drogas e contrabando.

Celso Fernandez explicou ainda que a intenção é que os entes envolvidos possam debater o assunto e a viabilidade da implantação desse projeto. Ele sugeriu a criação de uma Comissão, com representantes dos poderes públicos municipal, estadual e federal, para debater uma maneira de executar essa implantação.

Foto: Ivanildo Porto