Paciente que corre o risco de ficar paraplégico terá que esperar três anos por consulta em Guarulhos

O ajudante Ricardo Donizete da Silva, 28, morador do Recreio São Jorge, afirma que deverá aguardar até três anos para conseguir uma consulta com um neurocirurgião nos postos de saúde da cidade, onde foi informado sobre esta situação em dezembro do ano passado, mesmo diante do quadro de risco, já que pode ficar paraplégico.

“O tempo estimado para a consulta é de três anos, porque me informaram que há mais de 3.600 pessoas na fila”, afirmou Donizete que necessita marcar a consulta para assim conseguir realizar a cirurgia. O ajudante teve um acidente de trabalho que ocorreu no ano passado, quando bateu a coluna e estourou uma vértebra.
Donizete chegou a tentar passar no Hospital Municipal de Urgências (HMU), porém, revela que só não foi internado por falta de leito. “Quando fui ao hospital, lá não tinha maca e leito disponível, e acabaram me colocando em uma cadeira”, disse o ajudando, que após passar a noite no HMU, acabou desistindo e retornando para a casa. Em nota, o Instituto Gerir afirmou que em hipótese nenhuma o paciente fica em uma cadeira.

Enquanto este impasse não é resolvido, o ajudante não tem como trabalhar, além de ter dois filhos pequenos para cuidar e a mulher estar grávida, também não está com o movimento dos três dedos do pé. “O médico disse que se eu esperar três anos não vou estar andando mais”, revelou.

A cirurgia que Donizete precisa é da correção de coluna, e mesmo com todos os exames, ainda continua na lista de espera, e como sofre com dores, grande parte das vezes vai para o hospital tomar morfina. A reportagem do HOJE entrou em contato com a Secretaria da Saúde, que informou que os procedimentos de neurocirurgia são considerados de alta complexidade, dentro da esfera de competência do Sistema Único de Saúde (SUS). “Portanto, a atual gestão está em negociação com o governo do Estado para a oferta de vagas ao município”.

Reportagem: Ulisses Carvalho
[email protected]