Prefeitura transfere 150 famílias da Comunidade da Fiat para Conjunto Habitacional no Pimentas

Prefeitura transfere 150 famílias da Comunidade da Fiat para Conjunto Habitacional no Pimentas

A Prefeitura transferiu as 150 famílias que viviam na comunidade da Fiat, localizada na Ponte Grande, para unidades do Conjunto Habitacional Vila Pimentas II, no Pimentas, entregues pelo prefeito Guti, no último mês de abril. Acompanhada pela equipe do Departamento de Ação Comunitária, da Secretaria de Habitação, a mudança dos cerca de 700 moradores teve início no último dia 14. A demolição das moradias deve ser realizada nesta quarta-feira, dia 23, pela Proguaru. O local, que servirá para futuros equipamentos educacionais, foi desapropriado em 2010 pela administração municipal,  que indenizou o proprietário em R$ 8 milhões.

Segundo o secretário de Habitação, Fernando Evans, o trabalho da pasta não termina ao fim da realocação das famílias. “Com a transferência, uma parte importante de nosso trabalho é concluída. No entanto, começamos com o trabalho técnico social, que consideramos fundamental porque trata de integrar estas famílias em um ambiente completamente novo e diferente do que eles viveram aqui”, disse Evans.

O trabalho técnico social, de acordo com o gestor, incluiu a preparação dos moradores para a convivência em condomínio e ocorreu antes da transferência. Além disso, disponibiliza cursos profissionalizantes que visam o bem-estar da comunidade como odeformação de síndico, oficina de cooperativismo, atitude empreendedora e economia solidária. Oferecem também cursos de preparação para o mercado de trabalho como designer, esteticista, recepcionista, telemarketing, entre outros.

Felicidade

Dos 40 anos vividos, o conferente Odair José França, passou 36 na comunidade Fiat. Nascido em Icó (CE), ele veio para Guarulhos aos quatro anos. Casado há 18 anos e pai de um menino de 12 anos, o cearense sempre soube que um dia teria que sair do local. “É difícil morar num lugar e saber que um dia terá que sair. A gente não pode investir aqui porque uma hora tem que sair”, afirmou.

O morador conta que em 1992 viu chegar pela primeira vez o oficial de justiça com ordem para desocupação do terreno. “Em 2010 e 2016 foi tudo de novo. Foram vários pânicos que passamos com oficiais de justiça, mas, graças a Deus, tudo se resolveu. Não tem coisa melhor do que morar no que é da gente. Não tem o que reclamar. É só felicidade”, explicou Odair. Ele foi realocado para um dos apartamentos do conjunto habitacional, viabilizado por meio do programa Minha Casa, Minha Vida. O imóvel possui dois quartos, sala, cozinha, banheiro e lavanderia, além do estacionamento, salão de festas, área de lazer, infraestrutura completa com pavimentação, rede de água e esgoto, energia e gás encanado.

Foto: Fábio Nunes Teixeira/PMG

2 Comentários neste post

  1. Em se falando de recolocar famílias em casas para moradores que não tem a onde ficar, lembramos as memórias do passado, na gestão do Senhor Almeida, as regularizações dos bairros Jardim Planalto e Jardim Marilena. Senhor Guti Já tem alguns anos que não sabemos exatamente como está a situação destes bairros, o povo precisa saber de fato e de verdade, o que está acontecendo por detrás dos bastidores, temos um processo do Ministério Público, cuja cobrança era a regularização dos bairros envolvidos, mas, por pura covardia do Senhor Almeida, não aconteceu nada, então esperamos que o Senhor desenvolva um projeto de regularização, para que os moradores fique mais tranquilo, ninguém dorme em paz nestes bairros envolvido. Será que vai estourar uma bomba daquelas em cima do povo, e depois vamos jogar um monte de famílias na rua e na berlinda, como estamos vendo todos os dias na mídia, é muita gente envolvida no Jardim Planalto e no Jardim Marilena, e além disso, existe os usurpadores das informações, que tiram vantagem da desgraça e do choro das pessoas mais simples e mais humildes, então Senhor Guti esperamos uma posição, para ver que lado que realmente nós vamos tocar esse barco.

    Responder
  2. Sem querer generalizar, mais la se vai mais uma bela quantidade de traficantes, usuários e indivíduos de má índole para o bairro dos pimentas, lamentável.

    Responder

Deixe seu Comentário