Feirantes temem pelo enfraquecimento da categoria com o fim da contribuição

Antônio Boaventura

[email protected]

Feirantes entrevistados pelo HOJE nesta quinta-feira (08) demonstraram algum tipo de preocupação com proposta enviada pelo prefeito Guti (PSB) à Câmara Municipal com o propósito de extinguir a contribuição sindical para o Sindicato dos Feirantes (SindFeira). O valor anual da contribuição é de até R$ 438.

A contribuição é dividida em três grupos: para aqueles que comercializam frutas, legumes, verduras, pastel, pescado, açougue, caldo de caldo de cana e frio, o valor anual é de R$ 438; roupas, bazar, calçados e armarinhos a contribuição é de R$ 169 e para outros ramos como condimentos e vendas de ovos, a taxa é de R$ 98.

“Essa contribuição é dividida em três parcelas. O valor pode chegar a aproximadamente R$ 500 por ano. Caso tivesse algum problema com a prefeitura, eles atendiam através do sindicato. Eu mesmo pago porque tenho duas barracas e precisamos muito da entidade”, disse o feirante Raul Rodrigues, que trabalha há 30 anos nas feiras de Guarulhos.

Entretanto, a autorização para exercer a função nas feiras-livres do município deve ser realizada anualmente no último dia do mês de março de cada ano. Para isso, o feirante precisa apresentar comprovante da quitação dos tributos incidentes da atividade, inscrição estadual e a guia de recolhimento de contribuição sindical em favor do Sindicato dos Feirantes de Guarulhos (SindFeira).

“Eu acho que é melhor pagar, até por que podemos ficar enfraquecidos. É melhor correr pelo certo. A taxa a gente paga na renovação da licença para trabalhar nas feiras-livres da cidade”, observou o feirante Isaías da Silva, trabalhando no setor há 22 anos.

Foto: Ivanildo Porto