Guarulhos continua sem a vacina pentavalente, diz mãe

Reportagem: Ulisses Carvalho

[email protected]

As Unidades Básicas de Saúde (UBSs), ainda continuam com a falta da vacina pentavalente, segundo a analista de Recursos Humanos, Kátia Santos Maia, 35, que chegou a procurar a vacina para o filho na rede pública, porém, foi informada de que a falta ocorre desde o mês de agosto.

“Estamos percorrendo todos os postos de saúde e não tem, até clínica particular nós fomos e também estava em falta”, afirmou a mãe, destacando que compareceu em três unidades, UBS Pimentas, UBS Dona Luíza e UBS Jandaia, porém, em todos estes postos foi informada para continuar ligando questionando sobre a vacina ou comparecer no período entre 15 dias para verificar a situação sobre a pentavalente.

Questionada, a Secretaria Municipal de Saúde informou que até o momento, não foi comunicada pelo Ministério da Saúde e nem pelo Governo do Estado sobre o envio de novas doses ao município. “Esclarece também que a última remessa, de seis mil doses de Pentavalente  foi efetuada em 31 de outubro deste ano, montante que foi distribuído de forma gradativa para as regiões de saúde e para os serviços  de saúde do município”, informou a secretaria.

A administração municipal também alegou que cada UBS foi orientada a anotar o nome das crianças que compareceram ao serviço no período de desabastecimento, com o objetivo de convocar as crianças quando chegarem novas doses da vacina. Já o Ministério da Saúde informou que distribuiu mais de 4,7 milhões de doses da vacina aos estados de todo o país somente neste ano, sendo 992.998 mil para o estado de São Paulo.

“A última remessa da pasta foi feita em outubro, com o envio 885 mil doses para todo o país e 240 mil para São Paulo. Em novembro, não foi possível realizar o envio, pois a carga que chegou ao Brasil está aguardando parecer da OPAS para posterior liberação da Anvisa. Tão logo essas doses sejam liberadas para uso, serão distribuídas aos estados”, destacou o ministério.

O ministério também alegou que a vacina, adquirida por intermédio da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), foi reprovada em teste de qualidade feitos pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e análise do Ministério da Saúde. “Por este motivo, as compras com o antigo fornecedor, a indiana Biologicals E. Limited, foram interrompidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que pré-qualifica os laboratórios”.    

Foto: Divulgação