Covid-19: Integrante do RAPS, vice-prefeito assina documento que apoia orientações da OMS

Alexandre Zeitune (Rede), vice-prefeito, ressalta necessidade de apoio as medidas adotadas pela OMS no combate ao Covid-19 - Crédito: Ivanildo Porto

Antônio Boaventura
[email protected]

Preocupada com o pronunciamento, em cadeia nacional, do presidente Jair Bolsonar, sem partido, na última terça-feira (24), a Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (RAPS), composta por parlamentares de diversas esferas políticas do País, publicou nesta quinta-feira (26) uma carta pública em apoia as orientações recomendadas pela Organização Mundial da Saúde. Integrante deste grupo, o vice-prefeito Alexandre Zeitune é um dos defensores desta iniciativa.

Essa ação foi desencadeada em função da crise causada pelo Covid-19, e mais de 70 personalidades do meio político, que foram eleitos. Entre eles estão Eduardo Leite (PSDB), governador do Estado do Rio Grande do Sul, os senadores Alessandro Vieira (CIDADANIA-SE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Rodrigo Cunha (PSDB-AL) e os deputados federais Alessandro Molon (PSB-RJ), Arnaldo Jardim (CIDADANIA-SP), entre outros.

“A construção das decisões devem ser baseadas em evidências e sistemas construídos por especialistas e muito debate e transparência, e não por posição política e achismos. Os governos tem que se reinventar e não é possível tomarmos decisões sem elementos de evidências. Isto ocorre em todos os âmbitos governamentais”, explicou Alexandre Zeitune, vice-prefeito de Guarulhos.

O grupo ressalta que o rápido e perigoso avanço do novo coronavírus no Brasil impõe a necessidade urgente de concentrarmos todos os nossos esforços no combate à pandemia. Já são mais de 2.500 casos em todas as unidades da federação e 61 mortes, que crescem exponencialmente e podem colapsar o nosso sistema de saúde. O RAPS também faz um alerta para a gravidade desta crise com impactos na saúde, na economia, na segurança, na educação e em muitas outras esferas da vida em sociedade.

“As políticas públicas não chegam na sociedade e muitas das vezes só servem para lives e para valorizar a imagem de alguns políticos. Enquanto isto, gente está morrendo. O verdadeiro pacto pela vida se faz com o alcance das políticas públicas para a população”, encerrou Zeitune.